CIV. Dor de cabeça? Vai um suco aí?

frutas1

É só a gente falar que está tomando suco para vir uma penca de gente dizendo que suco não alimenta, dieta líquida faz mal, bater ou processar alimentos acaba com as vitaminas dos mesmos, e por aí vai…

Primeiro que o Bom Marido e eu não partimos para uma dieta líquida coisa nenhuma! (Ele nem poderia, pois já é beeeem magro). E segundo, não existe nada mais prático e gostoso que ingerir uma boa quantidade de legumes, verduras e frutas sem precisar passar horas e horas mastigando. A combinação é perfeita e a nutrição é garantida.

Ou seja, nossa meta era incluir alimentos ditos mais saudáveis em nossa rotina.

Conforme eu mencionei na postagem sobre o filme Fat, Sick and Nearly Dead (Gordo, Doente e Quase Morto), o Bom Marido e eu fomos ao Hortifrúti Vila das Frutas (pois o Sacolão mais próximo não tinha vaga no estacionamento) e compramos vários ingredientes para os nossos sucos, e logo no primeiro dia, testamos um bem bacana que vimos no site do Joe Cross:

::: Um Suco que Alivia a Dor de Cabeça :::

IMG_8968Ingredientes:

  • ¼ abacaxi
  • 2 folhas de acelga (folhas e talos)
  • 1 punhado de espinafre
  • 2 talos de salsão
    1 pepino
  • 1 limão
  • 1 pedaço de cerca de 2.5cm de gengibre fresco

Instruções:

  • Lave bem os ingredientes
  • Descasque o limão
  • Passe todos os ingredientes pela centrífuga e sirva o suco.

Substituições:

Abacaxi – Maçã, pera
Acelga – couve, espinafre, alface, agrião, rúcula
Espinafre – couve, acelga, alface, agrião, rúcula
Salsão – aipo-rábano, pepino
Pepino – salsão, aipo, abobrinha
Limão – toranja, lima
Gengibre – açafrão, hortelã

Rendimento: 1 porção

Nossas impressões:

  1. Substituímos o pepino por mais uma porção de salsão, pois o Thierry ficou com medo de não gostar, afinal ele não teve boas experiências com o sabor do pepino ao longo da vida. (Detalhe: ele associou ao picles, que a gente detesta mortalmente)
  2. Como não tínhamos centrífuga, fizemos tudo no liquidificador, ou seja, demoramos um tempão para conseguir bater tooooodos os ingredientes e ainda por cima tivemos de ir acrescentando água aos poucos, para ajudar no procedimento.
  3. O sabor ficou incrível. Nesses sucos não precisa e nem pode colocar açúcar.
  4. Deveríamos ter colocado umas pedrinhas de gelo na hora de servir. Lembrete para os próximos!
  5. Apesar da receita ser para 1 porção, o Bom Marido e eu resolvemos dividir, pois não estamos usando o suco para substituir uma refeição e sim para experimentar uma opção refrescante e nutritiva de lanche da tarde.
  6. Queremos testar mais sucos!

Veja a receita em Inglês no link: A Juice That Helps A Headache

____

Gostaram da dica?

Fiquem à vontade para sugerir alguma alteração, tirar dúvidas e comentar!

Abraços e até à próxima!

😉

CIII. Saúde! Agora o Bom Marido é fã de frutas, legumes e verduras!

2016 começou um pouco diferente na cozinha do Bom Marido.

Aliás, há algum tempo a lista de compras foi sofrendo algumas modificações, desde a redução do consumo de refrigerantes, guloseimas e gordurebas, devido ao preço elevado no supermercado.

Pois é… A falta de grana acabou nos ajudando a estocar menos porcaria em casa!

Mas o que deu aquele “plim” na cabeça do Bom Marido foi termos assistido a alguns documentários que eu havia pedido para ele baixar. Documentários estes que eu já havia assistido quando estive no Canadá na época em que eu estava fazendo o curso de Green Leadership (Liderança Verde) na ILSC-Vancouver e a professora havia passado uma lista de filmes como sugestão para complementar as aulas.

Aproveitando que eu estava no apartamento dos amigos Dimitri e Fabiana, do Canal Canadá Diário e eles haviam liberado a senha do Netflix deles, eu pude assistir a vários desses documentários recomendados pela querida professora Bari Blackhart.

Porém, me deu uma vontade de assisti-los novamente, bem como assistir aos que eu não tive tempo. E assim, Meu Amado baixou:

  1. Fat, Sick and Nearly Dead (Gordo, Doente e Quase Morto)
  2. Food Inc. (Alimentos S.A.)
  3. Food Matters (O Alimento é Importante)
  4. Hungry for Change (Fome de Mudança)

Todos os documentários falam da relação entre alimento e saúde, enfatizando as escolhas que fazemos no nosso cotidiano. Escolhas que podem ser prejudiciais não somente a nós e à nossa família, como também ao meio ambiente.

Gostamos muito do documentário “Fat, Sick and Nearly Dead”, pois foi o mais divertido, menos dramático e ainda assim muito elucidativo.

fatsickandnearlydead-sub

Trata-se da história de um cara chamado Joe Cross que estava realmente Gordo, Doente e Quase Morto e por isso resolveu dar a volta por cima para recuperar a saúde, através do desafio de fazer seu corpo se curar sozinho somente pela ingestão de sucos naturais de frutas, legumes e verduras, por um prazo de 60 dias.

Parece utópico e totalmente errado ficar 2 meses só tomando sucos, mas o cara teve acompanhamento de médicos e nutricionistas e viajou pelos EUA com sua centrífuga, seu gerador e sua “feirinha” no carro, contando sua história de vida para várias pessoas, chegando inclusive a incentivar algumas a fazerem o mesmo!

Bem bacana o sucesso e a repercussão que ele teve. O mais impressionante foi a mudança, não apenas externa (o cara ficou enxuto e com uma aparência super saudável), mas também interna, pois o próprio organismo dele começou a não sentir mais vontade de consumir porcarias. Até os medicamentos ele, que sofria de uma doença autoimune, acabou não precisando mais tomar.

Ele mostra tudo isso no documentário. Só não mostra detalhadamente as receitas dos sucos que ele foi tomando.

Mas eis que foi só pesquisar no Google e encontrar o site dele, o Reboot With Joe (Recomece com Joe) onde pude encontrar dicas, receitas, informações sobre os benefícios dos sucos e de cada ingrediente recomendado.

No filme, Joe carrega sua centrífuga para cima e para baixo. O Bom Marido e eu sempre quisemos ter uma centrífuga, mesmo não sabendo direito como funcionava uma. Achávamos prático e divertido ver frutas e legumes virarem suco em poucos segundos!

Como não tínhamos centrífuga, tentaríamos utilizar o liquidificador.

Primeiro eu pesquisei no site do Joe algumas receitas de sucos que eu achava que o Bom Marido e eu iríamos gostar (tem suco para melhorar as articulações, limpar o organismo, amenizar dor de cabeça, levantar o astral, curar resfriados e muito mais), anotei os ingredientes necessários para fazer estes sucos e fomos até um Hortifrúti Vila das Frutas providenciar tudo.

Assim que chegamos, já lavamos e embalamos tudo, cortamos e congelamos o que podia ser congelado e armazenamos tudo direitinho para que nada estragasse, afinal, não se pode desperdiçar quando as finanças estão em baixa, certo?

E assim tentamos fazer nossos primeiros sucos.

Querem saber o resultado? Então aguardem as próximas postagens, pois esta aqui já ficou enorme, pra variar!

____

Obrigada pela visita e até à próxima!

😉

____

Ah, só para deixar claro! Nem o Bom Marido e nem eu tencionamos perder peso tomando suco!!! Nossa meta é mudar nossa alimentação aos poucos, deixando-a cada vez mais saudável, por isso começamos a tomar pelo menos um suco de frutas, verduras e legumes por dia, ainda assim dividindo uma porção para nós dois!

Se o Bom Marido perder um quilo sequer, o coitado sai voando!

Mas segue um spoiler aqui: a aparência dele está bem melhor. Mais corado, com mais energia e com a pele bem mais bonita.

E não foi só com o suco, pois ele passou a comer frutas, beber mais água e não torce mais o nariz para os legumes na comida! (Vide a primeira foto que postei acima, do macarrão colorido que eu fiz para ele com molho branco e… LEGUMES! Ele adorou!!!)

😉

Thierry and Elaine at Whytecliff Park - february, 2015

CII. O Bom Marido no Canadá – Últimos dias de viagem; Lions Gate Bridge; Whytecliff Park; Cinema; Aeroporto; Brasil

Chegamos ao final de uma jornada de incríveis passeios no Canadá.

Neste post, falarei sobre os últimos dias da nossa viagem.

____

02 de fevereiro de 2015.

Após nossa visita à Whistler no dia anterior, aproveitamos a segunda-feira para fazermos umas comprinhas e curtirmos o clima chuvoso, planejando os últimos passeios da semana.

____

03 de fevereiro de 2015.

Aproveitando que nosso apê ficava ao lado do Stanley Park, resolvemos fazer mais um passeio por ele, a caminho da Lions Gate Bridge. Nossa meta era atravessar a pé os quase 2 quilômetros da ponte e ver o que tinha de bom lá do outro lado.

Lions Gate Bridge - by Thierry Durieux - feb, 2015

Foi uma boa caminhada até chegarmos a um shopping, o Park Royal South, onde nos deparamos com um supermercado oriental – Osaka Supermarket – que tinha de tudo um pouco, inclusive uns frutos do mar gigantescos expostos em um “aquário” no setor da peixaria.

Osama Supermarket

Nos esbaldamos de observar as coisas estranhas que são vendidas lá e acabamos nos deliciando com uma porção de sushis e outra de guiozas e mais um delicioso e delicado bolo de nozes, afinal não havíamos almoçado antes de sairmos de casa!

Passeamos mais um pouco pelo shopping e voltamos andando para o apê, quando já estava escurecendo.

____

04 de fevereiro de 2015.

Saímos cedo do nosso apê e caminhamos até à Georgia Street, onde pegamos o ônibus #257 até à Horseshoe Bay, em West Vancouver.

Chegando lá, tomamos um chocolate quente, pois estava fazendo muito frio e demos um passeio pelas redondezas antes de encararmos a longa caminhada rumo ao Whytecliff Park. Nos perdemos um pouco para chegarmos lá, mas conseguimos!

No parque, caminhamos cuidadosamente sobre um caminho de pedras e chegamos à Whyte Island. Fizemos algumas fotos lá na ilha e logo voltamos. Até aproveitamos para pegar algumas lindas pedrinhas à beira da água.

Whytecliff Park - by Thierry and Elaine - feb, 2015

De repente, vários patos que estavam tranquilinhos na água, levantaram voo ao mesmo tempo, como se fosse uma coreografia. No mesmo instante, a maré começou a aumentar e o caminho de pedras sumiu embaixo d’água! Se demorássemos uns minutinhos a mais para voltarmos, ficaríamos ilhados!

Continuamos a caminhar pelo parque até encontrarmos um lugarzinho tranquilo para fazermos nosso piquenique de pão integral com peito de peru e queijo, cookies e água. Foi muito tranquilo e romântico, mesmo com a forte garoa que fazia de tempos em tempos.

Na hora de voltarmos para a Horseshoe Bay afim de pegarmos nosso ônibus, acabamos nos perdendo por umas trilhas que não levavam a lugar algum, mas eis que finalmente encontramos a saída, pegamos o busão e chegamos sãos e salvos no apê.

____

Dia 05 de fevereiro de 2015.

Este foi o nosso último dia de passeio. Demos uma voltinha pelo centro para ver se nos animávamos a comprar mais alguns presentes e terminamos o dia indo ao cinema. Sim! Cinema!

Em meu outro blog, mencionei os prêmios que ganhei no evento em que trabalhei, o Fright Nights 2014, no PNE. Na postagem, eu explico que ganhei os prêmios pela minha atuação no evento, o que me deixou muito feliz. E os prêmios eram: pedaços de tijolos usados nas cenas dos artistas da dupla The Monsters of Schlock e ingressos para o cinema.

2014_11_01_frightnights_twoprizes

Os tijolos eu deixei no apê, afinal eu não teria como trazê-los para o Brasil na mala – muito pesados… Já os ingressos, eu guardei por meses até ter a oportunidade de usá-los. Sorte que deu tempo, pois usei praticamente no último dia de viagem. E com Meu Amado!

Assistimos ao filme The Immitation Game (O Jogo da Imitação) e depois passamos no Tim Hortons para nosso último chocolate quente com donuts.

Tudo o que comprávamos para comer nós dividíamos (exceto algum lanche que o Bom Marido preferia de carne e eu, frango), assim gastávamos menos e comíamos o suficiente.

Fizemos nossa última caminhada rumo ao apê e terminamos a noite fechando nossas enormes malas.

____

06 de fevereiro de 2015. Dia do embarque do Bom Marido.

Quando minha irmã e eu compramos as passagens de ida e volta no começo de 2014, compramos para o mesmo dia e para o mesmo voo, claro. Thierry não conseguiu comprar a passagem de volta para os mesmos dia, horário e voo que o nosso, então ele comprou para um dia antes, seguindo a mesma escala que fez na ida: São Paulo – Toronto – Vancouver.

De mala e cuia no busão!

O voo dele para Toronto estava marcado para às 14h. Fui de mala e cuia com ele até o aeroporto, enquanto minha irmã ficou no apartamento ainda resolvendo as coisas dela.

Uma hora depois que o Meu Amado embarcou, minha irmã chegou e ficamos lá no aeroporto enchendo linguiça até o dia seguinte, pois nosso voo sairia cedinho e não poderíamos embaçar.

A hora parece que não passa no aeroporto, então a melhor coisa a se fazer é comer, comprar e encontrar um cantinho para dormir!

Fizemos lanches com algumas coisas que haviam sobrado no apê como: pão, frios, ovos, salgadinhos e afins. Mas ainda assim não resistimos à tentação de tomarmos uns chás e chocolates quentes no Tim Hortons, onde ainda compramos duas canequinhas bem bacanas!

Maple Leaf Sisters!

Passeamos por algumas lojinhas para ver o que tinha de interessante e ficamos zanzando de um terminal ao outro, até cansarmos. Pensamos que as lojas e os restaurantes no aeroporto ficassem abertos 24 horas, sempre à disposição de quem ali estivesse, mas tudo começou a fechar e a gente acabou sobrando com a única opção disponível: dormir.

Eu até consegui dormir bastante, pois confesso que fiquei bem xoxinha depois que o Thierry embarcou.

____

07 de fevereiro de 2015.

Horas e horas de voos, conexões e trocas de aviões. Minha irmã e eu voamos de Vancouver para Minneapolis, de Minneapolis para Atlanta, e finalmente, de Atlanta para São Paulo. A essa hora o Bom Marido já deveria estar tranquilo na casa dele!

____

08 de fevereiro de 2015.

Ufa! Chegamos!

Após uma longa e cansativa viagem, ainda inventei de passar no Duty Free Shop, onde encontrei minha comadre que trabalha lá, fiz umas comprinhas e ganhei vários brindes!

Papai já estava ansioso esperando as duas filhotas. Assim que chegamos em casa, matamos as saudades dos nossos pais, desfizemos as malas, descansamos e… pensam que eu fiquei em Guarulhos, na casa dos meus pais? Não! O Bom Marido foi até lá me buscar para que eu viesse para a casa dele.

Ótimo, pois aproveitei para matar as saudades do Lucky também!

Home, sweet home...

____

E assim encerro esta deliciosa aventura que, para mim começou oficialmente em 04 de agosto de 2014, com a oportunidade de estudar e trabalhar em Vancouver, bem como revisitar e conhecer lindos lugares por lá!

Agora é rezar muito para conseguir repetir a dose, de preferência com planos de morar no Canadá por muitos e muitos anos com Meu Amado Bom Marido! ❤

Torça por nós, por favor!!!

____

Obrigada por acompanhar As Aventuras do Bom Marido no Canadá!

Veja mais em: As Aventuras do Bom Marido no Canadá – 2014-2015

____

😉

CI. O Bom Marido no Canadá – Nosso incrível passeio em Whistler, BC!

E lá vamos nós relembrar mais um super passeio da nossa viagem ao Canadá.

Ultimamente o Facebook vem me “obrigando” a relembrar os melhores momentos do ano passado. Ele poderia escolher fotos dos anos anteriores, mas não! Ele faz questão de me “maltratar” com as incríveis lembranças do início de 2015, ou seja, época em que o Bom Marido e eu estávamos lá no Canadá aproveitando cada dia como se fosse o último!

____

1º de fevereiro de 2015. Um dia deliciosamente frio!

Como mencionei em uma das postagens anteriores, o Bom Marido e eu queríamos comprar um passeio para as Rocky Mountains, mas não conseguimos, pois as vagas estavam lotadas. Nem o de Seattle nós conseguimos, pelo mesmo motivo. Então compramos antecipadamente o passeio para Whistler, antes que esgotasse também.

Havíamos pesquisado tanto na West Trek Tours quanto na Discover Canada Tours (agência pela qual eu havia visitado Whistler, o Lynn Canyon Park, o Stanley Park, as Rocky Mountains e Granville Island em 2012) e decidimos fechar com a West Trek Tour este nosso passeio para Whistler.

Não senti diferença de uma agência para outra, pois percebi que ambas trabalham no mesmo estilo. Até os preços são equivalentes e a qualidade do atendimento também.

Pois bem, o Bom Marido e eu acordamos cedinho e fomos caminhando até o ponto de encontro, próximo à Waterfront Station. Localizamos nossa excursão e seguimos viagem em um ônibus repleto de jovens eufóricos, grande parte deles brasucas!

Nosso passeio foi o de um dia só, o chamado “Winter Sightseeing”, onde apenas os principais pontos turísticos são visitados.

Nossa primeira parada foi a Shannon Falls, uma cachoeira de 335 metros de altura que fica em Squamish, BC, a caminho de Whistler.

Chegando à Whistler Village, o guia nos levou em um pequeno tour pela cidade e distribuiu os tickets para quem fosse passear de gôndola e fazer os demais passeios opcionais. Preços à parte.

Thierry e eu ficamos livres para explorar o local, com direito a passear de gôndola pra cima e pra baixo, almoçar uma Poutine no topo da montanha e brincar no Coca-Cola Tube Park!!! Uhuuu! Nos divertimos muitoooo!

Olha o Bom Marido aí deslizando alegremente!

Mesmo com o frio congelante (que só passou quando tomamos um master copo de chocolate quente!) nos divertimos muito e só lamentamos não estarmos com coragem para esquiar. Nem coragem e nem dinheiro, pois teríamos que alugar/comprar equipamento e fazer umas aulinhas para não nos arrebentarmos à toa na neve!

Prometemos tentar esquiar em uma possível próxima ida ao Canadá (que seja em breve, pelo amor de Deus!)

5/3/1. 25th day. – 5 minutes meditation ✔️ – 3 good things about this day ✔️ – 1 act of kindness ✔️ ☕️☕️☕️ 3 things: 1) I'm proud of all my accomplishments 2) No one can erase the best moments of my life 3) I know I'm loved! ❤️❤️❤️ 1 act of kindness: – I decided not to complain about anything today. Pic from my latest trip to Whistler Blackcomb. I wrote E&T on the gondola's glass. "E" stands for Elaine, "T" stands for Thierry! 💖💖💖 (2015, January) #531 #meditation #goodthings #goodvibes #goodthoughts #actofkindness #trip #Whistler #WhistlerBlackcomb #BritishColumbia #Canada #happiness #pazinterior #feliz #innerpeace #viagem #snow #gondola #positivity #mindfulness

A post shared by Elaine Thrash Oliveira (@elainethrash) on

Quase perdemos a hora de voltar para o ponto de encontro e, quando voltamos, o ônibus demorou um pouco para partir, pois um dos turistas da nossa excursão havia se perdido por aí.

Esperamos bastante, mas não localizamos o cara. Como estava muito tarde, voltamos para Vancouver sem ele e depois disso eu nem sei como fizeram para encontrá-lo, mas certamente devem ter dado um jeito. Assim espero!

Chegando em Vancouver, o Bom Marido e eu caminhamos até o apê, jantamos e dormimos cansados e felizes!

E este foi mais um passeio do Bom Marido no Canadá.

Pena que a nossa viagem já estava chegando ao fim…

____

Obrigada pela visita e até o próximo episódio das Aventuras do Bom Marido no Canadá.

😉

C. O Bom Marido no Canadá – Grouse Mountain; Ice Skating; Robson Square; Deep Cove; e Quarry Rock Hike

Das postagens numeradas, esta é a centésima (por isso o C. antes do título). Porém outras 55 foram feitas sem o propósito da numeração. Então esta é a 156ª postagem deste blog tão bonito que tenho desde Dezembro de 2011!!!

Uhuuu!

Deve ser por isso que não estou conseguindo postar mais fotos, afinal em mais de 150 postagens eu abarrotei meu WordPress de imagens, crente que o limite jamais extrapolaria!

Que pena! Justo agora que eu iria começar postando sobre o passeio que fiz com o Bom Marido para a Grouse Moutain, com direito a fotinhos da nossa desajeitada patinação no gelo e tudo mais…

Mesmo assim, segue o relato de mais alguns momentos de viagem. As fotos podem ser vistas, na íntegra e sem frescura neste álbum que deixei aberto em meu Facebook.

____

Dia 29 de janeiro de 2015.

Dia de conhecer a Grouse Mountain!

Após minha aula, encontrei Meu Amado no Centro e pegamos o Seabus até North Vancouver. Na Lonsdale Quay Bay pegamos o ônibus 236 sentido Grouse Mountain e descemos bem em frente ao local. Compramos nossos bilhetes, pegamos a gôndola e chegamos ao maravilhoso lugar onde muitas pessoas vão para esquiar, patinar no gelo e se divertir.

Como nossa intenção não era esquiar, compramos o tour guiado para ver a gigantesca turbina eólica The Eye of the Wind na qual é possível entrar por ela e subir de elevador a uma altura de 65 metros, onde existe um deck de observação. In-crí-vel!

Para chegar lá, percorremos uma trilha a pé sobre a neve e tivemos que usar um acessório nas solas das botas para evitar que escorregássemos no gelo.

Tiramos lindas fotos, passeamos de teleférico e vimos o pôr do sol em uma das paisagens mais estonteantes que existem.

Após o tour, alugamos uns patins e nos arriscamos a patinar no gelo. Puxa! Eu achava que seria difícil, mas achei igual à patinação normal com patins in line. Nunca me diverti tanto em minha vida! Thierry e eu patinamos até cansar.

Deu tempo até de assistirmos a um vídeozinho no The Theatre in the Sky a respeito da vida selvagem na Grouse Mountain. Depois disso, tomamos um lanchinho e pegamos o caminho de volta para Vancouver.

Foi muito bom!

Se um dia tivermos a chance de voltarmos para Vancouver, prometemos que tomaremos coragem para esquiar. Só será preciso alugar o equipamento e mandar brasa, ou melhor, gelo!

____

30 de janeiro de 2015. Sexta-feira.

Neste dia, após meu último dia de aula, voltei direto para o apê para almoçar com o Meu Amado. Cheguei com o diploma em mãos, afinal minha experiência de intercâmbio havia oficialmente acabado. Que pena! Passou tão depressa…

Mais tarde, encontramos a amiga Regina e o esposo dela na Robson Square e inventamos de patinar no gelo outra vez. Sorte que havíamos treinado um pouco na noite anterior, na Grouse Mountain!

Nos divertimos bastante, rimos, conversamos e terminamos a noite tomando um café na Tim Hortons. Foi muito bom! Gosto muito da Regina e fico extremamente feliz por ela estar bem em Vancouver, sendo muito amada e bem tratada!

A caminho do apê, Thierry e eu demos uma xeretada em um brechó bem curioso que fica na Robson Street. Pensamos que seria uma lojinha pequena com coisas toscas, mas era uma loja enorme com uma variedade incrível de roupas e acessórios exóticos de diversas épocas e para todos os gostos!

Claro que não compramos nada, mas foi divertido ver os itens que tem lá!

____

31 de janeiro de 2015.

Neste lindo sábado nublado pudemos aproveitar o dia todo de passeio. O Bom Marido quis conhecer Deep Cove, então lá fomos nós para North Vancouver outra vez!

Pegamos o ônibus 211 e chegamos à tranquila Deep Cove. Demos uma pequena circulada pela cidade e, antes de encararmos alguma trilha, passamos em uma cafeteria para comprarmos um chocolate quente para acompanhar nosso piquenique de sanduíche de pão integral com peito de peru e queijo, cookies e chá verde.

E partimos para nossa caminhada pela Baden Powell Trail rumo à Querry Rock Hike. Até que estava lotado o lugar! Muitas pessoas fazendo trilha por ali. Uma longa trilha, por sinal.

Ao chegarmos à Querry Rock, nos deparamos com uma vista de tirar o fôlego. Não é à toa que esta trilha é uma das mais populares por lá. Não exige muito esforço para percorrê-la e é uma trilha muito bonita e agradável.

Lá no topo, sentamos para apreciar a vista e tirar algumas fotos. Voltamos para a cidade, onde passamos por uma galeria de arte e finalizamos com um chocolate quente e um donuts gigantesco na Honey Doughnuts & Goodies – uma aconchegante cafeteria que fica bem no centro da cidade.

Pegamos nosso ônibus de volta para Vancouver, caminhamos até o apê e jantamos uma porcariazinha em um Burger King ali perto! Foi só porque o Bom Marido estava louco por um hamburgão, pois eu fiquei só nos nuggets mesmo!

E este foi mais um maravilhoso dia de passeios.

Último dia do mês. Só nos restava uma semana de viagem, por isso fizemos questão de aproveitar na medida do possível e dos nossos bolsos!

____

Obrigada pela visita e até o próximo episódio das Aventuras do Bom Marido no Canadá.

😉

XCIX. O Bom Marido no Canadá – Chinatow; Chinese Garden; Gastown; Crab Park; Tim Hortons; Vancouver Art Gallery; e Capilano Suspension Brigde

(Obs.: Meu limite de fotos no WordPress chegou ao fim. Então, ficarei sem postar fotos por um bom tempo, até eu conseguir descobrir um jeito de continuar postando sem precisar atualizar para uma conta Premium… No entanto, as fotos referentes a esta postagem encontram-se em um álbum aberto no meu Facebook)

Dando continuidade às postagens relativas aos passeios que o Bom Marido e eu fizemos desde 29 de dezembro de 2014 ao dia 06 de fevereiro de 2015 no Canadá, segue o resumo da semana seguinte à nossa viagem à Victoria, capital da British Columbia.

Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015.

Fui para a escola de manhã, onde comecei um curso  de Comunicação (só uma semana apenas) e à tarde fui para casa, almoçar com o Bom Marido. Fomos ao supermercado comprar nossas besteirinhas de sempre e ficamos de boa o dia inteiro, planejando os passeios seguintes.

Terça-feira, 27 de janeiro de 2015.

Após minha aula, fizemos um pequeno tour por Chinatown e arredores.

Tentamos visitar o Dr. Sun Yat-Sen Classical Chinese Garden, mas estava interditado por conta de uma gravação que estavam fazendo lá, mas seria rápido, segundo informaram. Demos umas voltas nos mercados esquisitos do bairro até dar a hora de podermos entrar no Jardim Chinês do Dr. Sun Yat-Sen.

Após o romântico passeio ao Jardim Chinês, entramos no International Village Shopping Centre, onde almoçamos uma Gororoba, ops, Yakisoba bem caprichada!

Seguimos andando até Gastown, onde conseguimos ver o famoso relógio à vapor da Water Street (outras vezes em que passamos por ali, o relógio estava em reforma). E é claro que aproveitamos para tirar algumas fotos dele!

Continuamos nossa caminhada até chegarmos ao comecinho da Main Street, que dá acesso ao CRAB Park – lugar onde estive em Setembro de 2014 com a turma do curso de Creative English – Writing to Speaking. Eu sempre falava deste belo lugar com minha irmã, mas ela nunca quis ir. Levei o Bom Marido e fizemos um passeio supimpa, romântico e agradável. Mesmo com frio!

Já estava escurecendo quando entramos no Tim Hortons da Dunsmuir Street para nos aquecermos com um Hot Chocolate e uns Timbits sortidos!

* Timbits são donuts pequeninos em formato de bolinha. Tipo coquetel. Ideal para quem não quer comer uma rosquinha grande de um sabor só!

Nossa próxima parada foi a Vancouver Art Gallery, na Hornby Street, onde aproveitamos que toda terça à noite a entrada é no esquema “pague o quanto quiser”, desde que não seja menos de 10 pratas!

O bom é que pode tirar foto de algumas exposições, o que eu não consegui fazer em 2012, quando visitei a exposição “Collecting Matisse and Modern Masters – The Cone Sisters of Baltimore”

Deixamos nossas coisas no guarda-volumes da galeria e apreciamos as exposições de Emily Carr e Landon Mackenzie – Wood Chopper and the Monkey; Unscrolled: Refraiming Tradition in Chinese Contemporary Art; bem como os acervos permanentes e a lojinha de presentes, onde dá vontade de comprar tudo!

5/3/1. 6th day. – 5 min meditation ✔️ – write about 3 good things ✔️ – do 1 act of kindness ✔️ 🍀🍀🍀 3 good things: 1) I got ahead with some of my projects! 2) I also managed time to study a little bit of English and French! 3) I finished reading a book! 😎😎😎 1 act of kindness: – Today, I delivered breakfast in bed to my fiancé! 💖 (This pic is from my latest trip to Vancouver. It was taken at Vancouver Art Gallery. "Unscrolled: Reframing Tradition in Chinese Contemporary Art" – Ai Weiwei – Bang – Installation composed of 886 chairs) #531 #goodthings #goodthoughts #goodhusband #howtobeagoodhusband #Vancouver #vancouverartgallery #unscrolled #latergram #innerpeace #meditation #actofkindness #study #english #french #breakfastinbed #art #installation #chairs #pazinterior #happiness #trip #comoserumbommarido #chineseart

A post shared by Elaine Thrash Oliveira (@elainethrash) on

Voltamos andando alegremente para o apê, prontos para o dia seguinte de aventuras!

___

Quarta-feira, 28 de janeiro de 2015.

Dia de conhecermos a Capilano Suspension Bridge Park. Prometemos que não gastaríamos dinheiro com esse passeio, pois já havíamos visitado o Capilano River Regional Park na semana anterior e achamos que não haveria a necessidade de conhecermos a famosa Ponte Suspensa de Capilano. Nos enganamos. Eu passaria sem ela de boa, mas o Bom Marido queria muito conhecer a tal ponte, então fomos!

Marcamos de nos encontrar no Centro, após minha aula. De lá pegamos o Seabus na Waterfront Station e o ônibus 236 sentido Grouse Mountain e descemos bem em frente ao Capilano Suspension Bridge Park.

Lindo o lugar. Valeu a pena a visita, os dólares gastos e tudo mais.

Thierry e eu adoramos percorrer diversas trilhas e admirar a natureza. E tirar muitas fotos também!

Depois deste maravilhoso passeio, pegamos o 246 direto para Vancouver, caminhamos até o apê e jantamos um delicioso arroz preto com peixe, legumes e chips President’s Choice. Supimpa!

____

Nos dias seguintes, fizemos outros maravilhosos passeios, porém só falarei sobre eles nas próximas postagens, pois esta aqui ficou bem extensa já!

____

Obrigada pela visita e até o próximo episódio das Aventuras do Bom Marido no Canadá.

😉

XCVIII. Mais um ano!

IMG_8815

Eita que 2015 já acabou. Passou feito um furacão, balançou um pouco as estruturas, mas acabou muito bem.

Começou lindo, com mil passeios que fiz com o Bom Marido lá no Canadá. Aliás, não consegui atualizar cada detalhe da nossa viagem, como era o planejado, mas acho que nas próximas postagens eu consigo. Eu ACHO!

Assim que voltamos de viagem, deu aquela sensação estranha de que estávamos no lugar errado, sabe? A sensação de que não deveríamos ter voltado do Canadá. Então bateu aquela depressão pós-viagem que tanto temíamos.

No começo foi difícil. Voltamos em uma época estranha, com as coisas fora do lugar e com uma crise no país que estava afetando mais o psicológico que o bolso.

Foi então que começamos a pensar nos “e se…” da vida e isso incluiu “e se um dia, daqui a uns dois anos, nos mudássemos para o Canadá?”. Confesso que ainda está só na hipótese, pois não conseguimos notáveis progressos para que isso se realizasse.

Primeiro porque precisaríamos comprovar uma boa quantia em dinheiro para começarmos nosso processo de imigração; depois teríamos que organizar uma série de coisas aqui antes de finalmente decidirmos começar tudo praticamente DO ZERO em outro país.

Parece mais fácil estar sozinho, pegar uma mochila, largar tudo aqui e viajar para bem longe, sem vínculos, sem amarras, sem cordões umbilicais e sem arrependimentos. O que não é o nosso caso. Temos que pensar sempre em dois. Três com o gato.

IMG_8627

Mais uma coisa para resolvermos: os procedimentos para levarmos o Lucky conosco!

Fora isso, ainda teríamos que procurar um local lá para morarmos, que não fosse muito caro, que não fosse muito tosco e que aceitasse animais. Me refiro ao gato!

Levaríamos uma grana extra para nos mantermos lá enquanto não pintasse nenhum trampo para nós, mas primeiro teríamos que fazer grana aqui para termos essa reserva. O que só foi acontecer lá para Maio/ Junho, ou seja, na metade do ano já…

Mas até que o ano foi bom. Nem péssimo, nem maravilhoso. Deu para passar. Difícil foi superar a perda do vovô Leon (avô do Thierry), o que piorou ainda mais a maré de tristeza pela qual estávamos passando.

IMG_8720

Para mim, graças a Deus, muitos trampos foram surgindo, a ponto de eu não ter tempo de descansar para curar uma torção no pé, um mau jeito no ombro, gripes, resfriados, dores de cabeça e etc…

Tanto é que hoje, 05 de janeiro, ainda estou com uma tosse que começou em 27 de dezembro, por conta da mistura: calor + muito ar condicionado + semanas seguidas de trabalho sem folga!

Pra que folga? Quando se tem um objetivo em mente, folgar é algo que atrapalha. Claro, serve para descansar, curtir um pouco mais a companhia do Bom Marido, mas de forma geral me deprime, me dá a sensação de não estar sendo útil!

Ainda mais para nós que pretendemos casar e mudar de país: quanto mais freelas, melhor! Quanto mais dindim entrando, melhor! Uhuuu!!!

E só termos foco e um bom planejamento. Deixar a vida organizadinha aqui para conseguirmos construir uma vida nova lá. Nós três: Meu Amado, nosso bebê peludo e eu. E que nossos parentes possam nos visitar de vez em quando, especialmente quando pensarmos em aumentar a família.

Eis uma questão que vem passeando pela mente do Bom Marido. Se for para termos filhotes, que nasçam no Canadá. Eu não faço muita questão de ser mamãe, por isso deixo essa decisão para quando o alarme de “Putz! Quero ser pai!” do Thierry apitar! Hahaha!

Se tivermos gêmeos, melhor! Assim os 9 meses de gestação + as dores + enjoos + o parto + a recuperação serão resolvidos numa tacada só!

Para encerrar, fiz uma bela homenagem ao meu amado no dia 29 de dezembro de 2015, dia em que completamos nossos 5 anos de namoro + noivado. Comemoramos em casa mesmo, com panquecas no café da manhã, pipocas, filmes e um jantar com direito a Strogonoff de Frango e um bom vinho tinto!

IMG_8628

Na mesma data, no ano anterior, estava eu indo buscá-lo no Aeroporto Internacional de Vancouver! Foi o melhor presente de namoro que eu poderia ganhar. Para completar, minha irmã até fez um jantarzinho gostoso para nós!

IMG_2670

Mais uma lembrança boa que nos faz querer morar no Canadá com a máxima urgência.

Será que a gente consegue?

Que Deus nos abençoe; que os anjos digam “Amém” e que o universo conspire a nosso favor para que o sonho de morar no Canadá se concretize o mais rápido possível!!!

Bora torcer!

E um Feliz 2016 do Bom Marido e da Boa Esposa! Ah, e do Bom Gatinho também! rs

IMG_8615

Agradecimentos aos amigos e leitores que já adquiriram exemplares do livro Como Ser Um Bom Marido e aos que estão para adquirir também!

Obrigada pela visita e até a próxima!

😉