IV. Falando da Boa Esposa

Não adianta nada a mulher querer um homem que seja educado, cavalheiro, compreensivo e paciente se ela também não colaborar para que o sujeito permaneça assim.

A palavra chave de um bom relacionamento é a TROCA. Se você quer carinho, seja carinhoso. Se você recebe atenção, retribua com atenção. Se você precisa de um colo, ofereça o seu também. Se você quer sair e ele quer ficar em casa assistindo ao futebol, negocie. Se você quer jantar fora, mas ela está morrendo de cólica, faça uma surpresa levando o jantar na cama e deixe para jantar fora outro dia!

A pessoa percebe quando a outra se “sacrifica” por ela e se sente no dever de fazer algo semelhante. Não é bem uma obrigação, mas gentileza gera gentileza. Se é feito com carinho, amor, sinceridade, a pessoa vai se tocar de que precisa retribuir. Sem cobrança.Thierry et Elaine

Diálogo também é muito importante. Desde o primeiro dia de encontro, sem medo de assustar alguém, aja sempre com sinceridade e clareza. Deixe claro como é o seu estilo de vida (não tente mentir para agradar a pessoa), mostre realmente quem você é. Se a pessoa gostar, beleza. Se não gostar, melhor assim, pois não adianta tentar se envolver com quem não tem NADA a ver com você! Quanto mais cedo perceber, melhor! Assim ninguém perde tempo e ninguém se machuca à toa.

III. Questão de educação

educação

Os requisitos básicos para um homem ser um bom marido são: educação, cavalheirismo, compreensão, generosidade e paciência!

Tudo começa com uma boa educação. Não me refiro a estudos, cursos, mestrados, mas sim à educação recebida em casa, pelos pais. E pelo que conheço do meu amado, a educação que seus pais, de origem europeia, lhe deram foi severa, rígida.

E é assim que tem que ser. Nada muito exagerado que traumatize a criança para o resto da vida, mas o suficiente para essa criança aprender os valores certos logo cedo. Aprender a respeitar e a ouvir o que o próximo tem a dizer. Aprender a ser responsável e a batalhar pelo que se quer. Aprender a merecer o que se quer. Aprender a não fazer escândalos, birras, showzinhos ou qualquer outro comportamento deplorável e fora de controle. Tudo muito regrado, muito moderado, muito… europeu!

Há quem reclame da frieza europeia. Concordo. Mas é muito mais fácil uma pessoa fechada se soltar um pouquinho na medida certa, do que uma pessoa totalmente desregrada (criada bem aos moldes dos pais liberais, desmiolados e molengas que conheço) se conter quando for preciso. E tudo é uma questão de saber dosar as coisas.

Uma pessoa bem educada conhece o certo por obrigação e o errado por dedução. Uma pessoa mal educada, faz tudo errado achando que está certo e quando faz algo certo, nem percebe e continua a viver alienadamente em relação aos valores importantes da vida.

Não vou generalizar dizendo que TODOS os europeus são educados e que todos os brasileiros são mal educados. De forma alguma! Só estou ressaltando que para muitos estrangeiros a prioridade é uma educação que eles acreditam funcionar melhor. E na minha humilde opinião, funciona mesmo! Digo isso por conviver com muita gente (da própria família, inclusive) que não está nem aí com nada, sempre foi o xodozinho da mamãe, sempre foi muito mimado, muito paparicado e não sabe dar valor. E se fizer qualquer besteira, sabe que a mamãezinha vai lá e conserta. Simples assim.

E vai dizer pra essa mamãezinha ou pra esse mimadinho pararem de agir assim? Não tem mais conserto, pois esse costume veio de berço, logo que o dito cujo queridinho cuti-cuti tesourinho da mamãe nasceu. Certamente esse indivíduo se tornou um “sapo” na vida de alguém. Mas isso não vem ao caso agora…

Voltando a falar do bom marido, é muito agradável ver um homem educado, charmoso, bonito e atencioso, não é? Pois é assim que um homem deve ser. Mas e a mulher?

Amor e fidelidade

II. O Príncipe Encantado

Existem diversos tipos de princesas, certo? Loiras, morenas, ruivas, recatadas, borralheiras, decididas, baixinhas, rebeldes, sofredoras e por aí vai… Então obviamente existem diversos tipos de príncipes encantados. Concordam?

nem toda princesa é igual

Esse negócio de “príncipe encantado não existe” é porque a princesa está sonhando com o príncipe errado! Cada princesa combina com um príncipe. Não adianta querer ter o príncipe igual ao da outra, porque não vai rolar. Encontrar o tipo de príncipe ideal ao seu perfil é fundamental para não se decepcionar no relacionamento.

Demorei a perceber que tipo de princesa eu era e “perdi” boa parte da minha vida tentando me dar bem com os príncipes errados. Não digo exatamente que “perdi” porque aprendi muita coisa com os indivíduos que namorei, mas… se eu tivesse sacado antes, não teria me desgastado tanto com relacionamentos sem futuro algum!!!

Sapo de Coroa

E o mais engraçado é que o príncipe certo já estava me rondando há tempos. Eu, teimosa feito uma mula, fugia dele por achar que eu tinha que procurar um cara que fosse tão elétrico, arteiro e agitado como eu. Conflito na certa. Mas, depois de muito quebrar a cabeça e estafar o coração, eis que o destino, cansado de me ver fazendo tanta burrada, esfregou na minha cara o tal príncipe encantado que há tempos estava à minha espera e percebi que ele combina direitinho com esse meu jeito louco e geminiano de ser: um cara totalmente calmo, sossegado, carinhoso e aquariano. Um doce de pessoa.

E assim surgiu o que faltava em meus relacionamentos: EQUILÍBRIO!

equilibrio

I. Introdução

Como ser um BOM MARIDO

Porque toda mulher tem o Príncipe Encantado (ou o Sapo) que merece!

Le Prince Charmant avec moi

Enquanto muitas mulheres que eu conheço se queixam dos seus namorados/ maridos/ namoridos, eu sempre ando a elogiar o meu. Mas é porque eu simplesmente não tenho muito o que queixar do homem que faz de tudo por mim. É sério. E o comentário que mais ouço dessas mulheres insatisfeitas é o seguinte: “Seu maridinho PRECISA dar umas aulinhas para o meu!!! URGENTEEE!!!”

Sei que é um comentário na base da brincadeira mas… E se desse certo? Imagine o meu namorido (sim, porque é nesse estágio que estamos!) desse algumas aulinhas, algumas dicas para toda essa machaiada que não sabe como tratar uma mulher do jeito que ela merece? Seria a salvação de muitos relacionamentos!

Então, observando o comportamento do meu ilustre companheiro, eis que surgiu a idéia de compartilhar as incríveis coisas que ele faz por mim. Nada muito grandioso, caro, extravagante, mas o jeito que ele faz, o carinho com que ele faz, ah, isso sim é o diferencial. São os detalhes que o tornam não somente um bom, mas um ÓTIMO MARIDO. E que sirva de inspiração a todos!

Acompanhem!