C. O Bom Marido no Canadá – Grouse Mountain; Ice Skating; Robson Square; Deep Cove; e Quarry Rock Hike

Das postagens numeradas, esta é a centésima (por isso o C. antes do título). Porém outras 55 foram feitas sem o propósito da numeração. Então esta é a 156ª postagem deste blog tão bonito que tenho desde Dezembro de 2011!!!

Uhuuu!

Deve ser por isso que não estou conseguindo postar mais fotos, afinal em mais de 150 postagens eu abarrotei meu WordPress de imagens, crente que o limite jamais extrapolaria!

Que pena! Justo agora que eu iria começar postando sobre o passeio que fiz com o Bom Marido para a Grouse Moutain, com direito a fotinhos da nossa desajeitada patinação no gelo e tudo mais…

Mesmo assim, segue o relato de mais alguns momentos de viagem. As fotos podem ser vistas, na íntegra e sem frescura neste álbum que deixei aberto em meu Facebook.

____

Dia 29 de janeiro de 2015.

Dia de conhecer a Grouse Mountain!

Após minha aula, encontrei Meu Amado no Centro e pegamos o Seabus até North Vancouver. Na Lonsdale Quay Bay pegamos o ônibus 236 sentido Grouse Mountain e descemos bem em frente ao local. Compramos nossos bilhetes, pegamos a gôndola e chegamos ao maravilhoso lugar onde muitas pessoas vão para esquiar, patinar no gelo e se divertir.

Como nossa intenção não era esquiar, compramos o tour guiado para ver a gigantesca turbina eólica The Eye of the Wind na qual é possível entrar por ela e subir de elevador a uma altura de 65 metros, onde existe um deck de observação. In-crí-vel!

Para chegar lá, percorremos uma trilha a pé sobre a neve e tivemos que usar um acessório nas solas das botas para evitar que escorregássemos no gelo.

Tiramos lindas fotos, passeamos de teleférico e vimos o pôr do sol em uma das paisagens mais estonteantes que existem.

Após o tour, alugamos uns patins e nos arriscamos a patinar no gelo. Puxa! Eu achava que seria difícil, mas achei igual à patinação normal com patins in line. Nunca me diverti tanto em minha vida! Thierry e eu patinamos até cansar.

Deu tempo até de assistirmos a um vídeozinho no The Theatre in the Sky a respeito da vida selvagem na Grouse Mountain. Depois disso, tomamos um lanchinho e pegamos o caminho de volta para Vancouver.

Foi muito bom!

Se um dia tivermos a chance de voltarmos para Vancouver, prometemos que tomaremos coragem para esquiar. Só será preciso alugar o equipamento e mandar brasa, ou melhor, gelo!

____

30 de janeiro de 2015. Sexta-feira.

Neste dia, após meu último dia de aula, voltei direto para o apê para almoçar com o Meu Amado. Cheguei com o diploma em mãos, afinal minha experiência de intercâmbio havia oficialmente acabado. Que pena! Passou tão depressa…

Mais tarde, encontramos a amiga Regina e o esposo dela na Robson Square e inventamos de patinar no gelo outra vez. Sorte que havíamos treinado um pouco na noite anterior, na Grouse Mountain!

Nos divertimos bastante, rimos, conversamos e terminamos a noite tomando um café na Tim Hortons. Foi muito bom! Gosto muito da Regina e fico extremamente feliz por ela estar bem em Vancouver, sendo muito amada e bem tratada!

A caminho do apê, Thierry e eu demos uma xeretada em um brechó bem curioso que fica na Robson Street. Pensamos que seria uma lojinha pequena com coisas toscas, mas era uma loja enorme com uma variedade incrível de roupas e acessórios exóticos de diversas épocas e para todos os gostos!

Claro que não compramos nada, mas foi divertido ver os itens que tem lá!

____

31 de janeiro de 2015.

Neste lindo sábado nublado pudemos aproveitar o dia todo de passeio. O Bom Marido quis conhecer Deep Cove, então lá fomos nós para North Vancouver outra vez!

Pegamos o ônibus 211 e chegamos à tranquila Deep Cove. Demos uma pequena circulada pela cidade e, antes de encararmos alguma trilha, passamos em uma cafeteria para comprarmos um chocolate quente para acompanhar nosso piquenique de sanduíche de pão integral com peito de peru e queijo, cookies e chá verde.

E partimos para nossa caminhada pela Baden Powell Trail rumo à Querry Rock Hike. Até que estava lotado o lugar! Muitas pessoas fazendo trilha por ali. Uma longa trilha, por sinal.

Ao chegarmos à Querry Rock, nos deparamos com uma vista de tirar o fôlego. Não é à toa que esta trilha é uma das mais populares por lá. Não exige muito esforço para percorrê-la e é uma trilha muito bonita e agradável.

Lá no topo, sentamos para apreciar a vista e tirar algumas fotos. Voltamos para a cidade, onde passamos por uma galeria de arte e finalizamos com um chocolate quente e um donuts gigantesco na Honey Doughnuts & Goodies – uma aconchegante cafeteria que fica bem no centro da cidade.

Pegamos nosso ônibus de volta para Vancouver, caminhamos até o apê e jantamos uma porcariazinha em um Burger King ali perto! Foi só porque o Bom Marido estava louco por um hamburgão, pois eu fiquei só nos nuggets mesmo!

E este foi mais um maravilhoso dia de passeios.

Último dia do mês. Só nos restava uma semana de viagem, por isso fizemos questão de aproveitar na medida do possível e dos nossos bolsos!

____

Obrigada pela visita e até o próximo episódio das Aventuras do Bom Marido no Canadá.

😉

Anúncios

XCVI. O Bom Marido no Canadá – New Westminster; TacoTime Tuesday; Queensborough Outlet; Capilano River Regional Park; Trees Organic; Foodwares Market; and Denny’s

Em mais uma semana de aventuras do Bom Marido no Canadá, resolvi refazer alguns passeios que eu já havia feito (com ou sem ele, e também com ou sem minha irmã) por Vancouver e arredores.

::: Obs.: Reuni as atividades dos dias 19 a 23 de janeiro, então a postagem está aparentemente longa, mas ainda assim dá para ler numa boa. Ou então, veja as fotos, pelo menos!

Segunda-feira, 19 de janeiro de 2015.

Após a aula, o Bom Marido e eu fomos passear em New Westminster, uma cidadezinha, assim podemos dizer, localizada na Grande Vancouver.

Assim que chegamos lá, a primeira coisa que fizemos foi procurar alguma coisa para almoçarmos. Diante da preguiça de gastar dinheiro e da vontade de comer algo rápido e prático, optamos pela pizza.

Confesso que, da outra vez que estive em Vancouver, eu achei esquisito ver essas lanchonetes que vendem pizza em plena luz do dia. Na minha cabeça, pizza sempre foi aquela refeição tão aguardada em alguns jantares de final de semana, especialmente quando voltávamos de viagem e ficávamos, minha irmã e eu, atormentando nosso pai para comprarmos uma pizza bem suculenta na antiga pizzaria “Cê Q Sabe”, em nosso bairro.

Em meu outro blog, comentei sobre “pizza em plena luz do dia” em um piquenique que meus amigos e eu fizemos na praia. Uma série de coisas estranhas na mesma situação: pizza + piquenique + praia!

Mas enfim, nesta última viagem ao Canadá, tive a oportunidade de comer essa pizza (cuja massa grossa mais parece um pão, semelhante à Pizza Hut) mais de uma vez, incluindo esta da Fresh Slice, com Meu Amado.

Após a pizza, fomos passear por New Westminster.

Perto da estação, vimos uma Pawn Shop (loja de penhores) e logo lembramos do programa Trato Feito (Pawn Stars), que passa no History Channel e que nós gostamos de assistir. A diferença é que essa loja é mais um amontoado de cacarecos velhos, diferente da chiquetérrima loja do programa de TV!

Demos uma vasculhada na loja (tendo inclusive encontrado coisas interessantes) e seguimos nosso passeio acompanhados de um delicioso copo de chocolate quente do Tim Hortons. Atravessamos a Columbia Street e passamos pela ponte que leva ao Fraser River Discovery Centre e ao River Market.

Entramos no River Market para darmos uma xeretada nas coisas por lá e depois saímos para apreciar a belíssima vista do Fraser River, além de tirarmos umas fotinhos, claro.

Piadinhas à parte, fiz questão de fotografar o Bom Marido junto com o maior soldadinho de brinquedo do mundo!

Fofo, não?

Olha que belezinha eu “pilotando o barco” em uma cabine feita para entreter crianças. Missão cumprida.

Seguimos tomando nosso chocolate quente (que já havia esfriado) em uma estupenda paisagem aprimorada pelo sol de inverno ao entardecer.

Lindo, poético e romântico.

Já em casa, assistimos um pouco à TV e jantamos essa maravilha de Peixe desfiado ao molho branco com arroz integral – obra de Mon Amour. Como acompanhamento, salada para mim e hash browns para o chef.

____

Terça-feira, 20 de janeiro de 2015.

Thierry e eu estávamos pensando em comprar algum passeio para o próximo final de semana. Nos encontramos perto da escola, na hora do almoço.

Lembrei que era terça-feira e, segundo fiquei sabendo da outra vez que estive em Vancouver, nas terças alguns restaurantes e fast-foods davam bons descontos em alguns itens.

Fomos até à praça de alimentação do Pacific Centre e aproveitamos a promoção na TacoTime, onde cada taco sairia por 1 dólar e pouquinho, não lembro ao certo. Só sei que compramos três tacos e um refrigerante pavoroso. Neste dia, minha irmã almoçou conosco, aproveitando a promoção dos tacos também!

Nossa missão após o almoço foi a de ir até à agência da West Trek Tours para ver se tinha vaga no passeio para Rocky Mountains. Infelizmente, não. Decidimos então ir até à Discover Canada Tours, agência com a qual eu havia feito o passeio para Rocky Mountains em 2012, mas também não obtivemos sucesso.

Se soubéssemos que esse passeio seria tão disputado, teríamos comprado com uma considerável antecedência. Tanto este quanto o de Seattle, que não conseguimos fazer também. Pelo menos compramos o passeio para Whistler, o que já era alguma coisa!

(Postarei sobre esse incrível passeio em breve!)

____

Quarta-feira, 21 de janeiro de 2015.

Mais um dia de bater perna sem muito sucesso. Como mencionei anteriormente, Thierry e eu compramos o passeio para Whistler e fomos alertados pelo cara da agência que seria bom irmos bem agasalhados para lá. Sendo assim, resolvemos ir em busca de algum casaco mais grosso para ele.

Como eu já havia ido para o Queensborough Landing Outlet Stores duas vezes (uma em 2012, outra em agosto de 2014 com minha irmã), eu sabia como chegar lá e em quais lojas ir.

Infelizmente não encontramos nenhum casaco que estivesse acessível aos nossos bolsos. Acabamos não comprando nada a não ser um chocolate quente no Tim Hortons (que naquela época estava em reforma, portanto fomos atendidos em um caminhãozinho estilo food truck).

Já estava escuro quando voltamos para Vancouver. Pena que, no hemisfério norte escurece muito cedo no inverno, mas ainda assim é lindo e agradável passear por lá.

O meu jantar foi arroz integral, peixe e salada. O do Thierry foi esse hamburgão com queijo!

____

Quinta-feira, 22 de janeiro de 2015.

Por ser a última semana de aula do curso de Jornalismo, fizemos mais um jornalzinho, desta vez não um tabloide com notícias inventadas, mas sim um jornal com matérias feitas com base em nossas próprias pesquisas e entrevistas.

Lembro que, na semana anterior, tivemos que selecionar um tema sobre o qual gostaríamos de escrever, criar perguntas inteligentes, entrevistar algumas pessoas, transcrever a entrevista e, a partir disso, escrever um artigo para o jornalzinho.

Escrevi sobre a convivência com colegas de quarto e se essa experiência influencia ou não no casamento. Entrevistei várias pessoas, incluindo meu próprio noivo, que contou sobre os episódios da época em que ele morou com amigos!

Essa matéria deu caldo, tanto que eu consegui encher três páginas e foi muito divertida de fazer. No mesmo jornalzinho saiu uma matéria engraçada que eu fiz sobre turistas e seus hábitos inconfundíveis!

Um dia eu posto esses textos inteiros ou aqui ou no meu outro blog. 😉

E mais uma vez a adorável professora Barbara Whiting comprou rosquinhas do Tim Hortons para a turma!

Logo após a aula, tive que ir ao departamento de intercâmbio da ILSC Vancouver para buscar meu certificado de conclusão do Programa de Estudo e Trabalho (WEP – Work Experience Program). Bateu aquela melancolia ao notar que minha jornada em Vancouver estava chegando ao fim.

Muitos dias de estudo, muitos cursos legais, muito aprendizado e a oportunidade de ter trabalhado em uma empresa magnífica lá me fizeram pensar na possibilidade de prolongar o programa, mas logo pensei nas mil coisas que eu tinha para resolver primeiro no Brasil, então achei melhor guardar essa ideia para uma próxima viagem.

Saí feliz de lá com meu diploma em mãos e fui ao encontro do Meu Amado para fazermos mais um passeio em North Vancouver.

Não canso de dizer o quanto a gente gostou de passear de Seabus!

Já em North Vancouver, passamos no meu querido Lonsdale Quay Market, onde almoçamos um grelhado com uma saladinha e depois fomos para a plataforma esperar o ônibus. Reparem na fruta estranha que encontramos por lá: Dragon Fruit… Será que é boa? Não tivemos coragem de pagar para ver!

Nossa intenção era irmos para as Grouse Mountains ver a galera esquiando e ver o que mais poderíamos fazer de interessante ali.

Chegando lá, vimos os preços e as possíveis atividades, mas como o clima estava meio feio, pensamos melhor e decidimos não gastar dinheiro com esse passeio naquele dia.

Pegamos outro ônibus e descemos no Capilano River Regional Park para fazermos alguma trilha bacana e tirarmos mais fotos.

Havia uma equipe de filmagens gravando alguma coisa por lá. Pena que não descobrimos o que era, mas só sei que muitas gravações de filmes, comerciais, seriados e afins são feitas neste lugar, que é muito lindo, por sinal.

Tempo nublado. Tiramos fotos estonteantes das montanhas!

Aproveitamos para explorar um outro pedaço do Capilano River Regional Park (por um caminho que não havíamos feito da outra vez em que estivemos ali) e descobrimos um local para apreciar o Cleveland Dam de um outro ponto de vista.

Após esse belo passeio com direto a fotos de árvores gigantescas e tudo mais, voltamos para Downtown Vancouver. Ao invés de pegarmos um ônibus da Waterfront Station até o nosso apê, eu sempre insistia para irmos a pé, afinal era tão gostoso caminhar pelas ruas de Vancouver, mesmo quando estava frio e escuro. E o paciente Bom Marido sempre atendia aos meus pedidos.

Ele era tão paciente que aguentava até minha preferência por esta ou aquela rua. E uma das que eu mais gostava era a Alberni Street, onde está localizada a Urban Fare, um dos meus lugares prediletos para conhecer produtos novos e de qualidade.

Uma coisa bacana que eu comi lá pela primeira vez na vida foi o sushi feito com arroz preto. Nunca havia degustado um sushi tão perfeito em toda a minha vida. E foi esse mesmo sushi que eu fiz questão que o Bom Marido experimentasse.

Esse foi praticamente nosso almoço, então, mais tarde, já no apê, o Meu Amado ainda fez um omeletezinho supimpa para o jantar.

____

Sexta-feira, 23 de janeiro de 2015.

Último dia de aula do curso de Jornalismo na ILSC. Sempre na última sexta-feira de cada curso, alunos e professores fazem alguma atividade diferente, dentro ou fora da escola. Nesses dias, tem gente que nem se dá ao trabalho de ir para a aula. E como as turmas são pequenas, só umas 3 ou 4 pessoas comparecem no último dia.

Naquela sexta-feira, a professora Barbara Whiting nos levou pra batermos um papo e comermos um delicioso cheesecake na cafeteria Trees Organic. Foi um cheesecake para quatro pessoas.

Eu nunca havia experimentado isso antes e o que nós escolhemos, chamado “The Sin”, estava muito bom. Era de chocolate com cereja! Hmmm!

Após a aula, encontrei meu Meu Amado na Granville Street e resolvemos entrar na Hudson Bay, uma famosa loja de departamentos do Canadá que tem de tudo um pouco, para darmos uma olhadinha nas novidades.

Tínhamos nos programado para visitar nossos amigos Dimitri, Fabiana e as crianças em Burnaby, mas como não seria delicado chegar na casa dos outros com fome, resolvemos passar no Foodwares Market para comermos alguma coisinha.

Fiz o Thierry experimentar a deliciosa sopa de lá e contei para ele que, meses atrás, quando estive ali com minha irmã, eu só pensava no quanto eu queria que ele também estivesse ali comigo, tomando aquela sopinha.

Eu quis tanto, que deu certo! 😉

Seguimos para Burnaby. Visitamos nossos amigos e o Thierry até levou o portifa dele para o Dimitri dar uma olhada, na esperança de que alguma ideia, algum milagre ou alguma indicação fosse surgir. Quem sabe em um futuro bem próximo isso não aconteça, não é? Ainda mais agora que Meu Amado deu uma turbinadinha no currículo e está muito mais preparado para enfrentar o mercado como artista 3D.

Quando saímos da casa dos nossos amigos, estava garoando forte e já havia escurecido bastante. E além disso, o Bom Marido estava com fome novamente. Caminhamos até à Austin Avenue e avistamos um restaurante Denny’s com cara de ser bem aconchegante.

Pelo fato de ser uma rede americana de lanchonetes que servem hambúrgueres, não imaginávamos que o preço seria tão absurdo. Mas já que estávamos ali, resolvemos experimentar.

Já não curti muito o atendimento, aliás, não sou fã do estilo americano de servir e tratar os clientes, sempre apressando-os a escolherem logo o que vão comer. Eu não estava com pressa nenhuma, mas a garçonete aparecia de minuto em minuto perguntando se já havíamos decidido.

Pelo menos a comida era muito boa. Thierry pediu um suculento Bourbon Bacon Burger e eu pedi um prato chamado Fit Slam (ovos mexidos com espinafre, tomate-cereja, pãozinho e salada de frutas. Ah, veio bacon no meu, mas eu os dei para o Bom Marido).

Thierry quis experimentar uma sobremesa: Cheesecake. Engraçado que essa sexta-feira começou com cheesecake na aula de Jornalismo e terminou com cheesecake no jantar!

Na verdade, a sexta-feira terminou com um agradável passeio a pé pela Granville Street, rumo ao nosso apartamento.

😉

Bom, e assim foi essa semana de aventuras do Bom Marido no Canadá.

Continuem acompanhando, pois o próximo episódio será sobre nosso romântico final de semana em Victoria, BC, em comemoração ao aniversário do Meu Amado! ❤

Não percam!

Valeu!

😉

LXXXIII. O Bom Marido no Canadá – Hash Browns, No Frills, No Name, Whole Foods and Squirrels

Obs. Parece um palavrão, mas é só o título dessa postagem!

IMG_3966Vamos lá…

Os primeiros dias no apê novo foram bem tranquilos.

Ir a pé para a escola era uma delícia, ainda mais porque todas as ruas de West End até Downtown são belíssimas e cada dia eu fazia um trajeto diferente, só para conhecer melhor a região.

IMG_3024No dia seguinte à mudança, 06 de janeiro de 2015, já tratamos de ir ao supermercado No Frills (cujos preços eram mais em conta) afim de comprarmos nossas comidinhas da semana. O Whole Foods era bem mais perto, ecológico e chiquetoso, mas experimente comparar um Extra a um Pão de Açúcar. O No Frills estaria mais para o Extra, claro.

Lilika só comprava no Whole Foods, ainda mais pela variedade de produtos integrais, naturebas e afins que ela curte.

Para ser sincera, se eu pudesse eu só comprava nele também, mas o máximo que eu fazia era passar lá de vez em quando para conhecer produtos novos, pois sempre rolavam degustações e demonstrações nos corredores.

Nourish_Almond_VanillaOutro dia ganhei um sachezinho de hidratante de amêndoa com baunilha que durou 2 semanas! Uma organic body lotion da marca Nourish. Ótimo para a pele ressecada por causa do frio.

Mas eu via mais vantagens ao comprar no No Frills. O pacotinho de salada lá custava menos de CAN$ 0.90 e já vinha prontinha para comer. Durava mais de uma semana na geladeira. Era só abrir a embalagem, colocar no prato e temperar!

Como o Bom Marido e eu estávamos comprando nossas comidinhas juntos, sempre comprávamos besteirinhas do tipo: batata frita President’s Choice, hash browns, cookies President’s Choice, a maldita Coca-Cola dele, peanut butter e afins. Tirando algumas marcas específicas, priorizávamos os produtos sem marca (No Name), pois ficavam um pouquinho mais em conta e a qualidade era boa também.

IMG_2304Ficávamos sempre de olho em ofertas e passávamos boa parte do tempo tentando calcular o custo x benefício dos produtos. Para mim era divertido, pois eu adoro fazer hora no supermercado, mesmo que eu não compre nada.

Eu sempre andava com minhas ecobags na mochila, assim não precisaríamos pagar pelas sacolas plásticas do supermercado e colaborávamos com o meio ambiente também!

Voltávamos com bastante peso na mochila e nas bags. Nosso apê era no 11º andar e eu sempre subia de escada, pois detesto elevador.

IMG_3026Uma coisa que comprávamos bastante lá pois o preço sempre estava bom eram os sacos de filé de peixe congelado. E todo dia a gente comia filé de peixe grelhado ou desfiado com molho branco à lá Thierry, arroz integral e salada (para mim) e Hash Brown (para o Thierry, que ficou viciado!)

Hash Brown é tipo um disco de batata ralada e misturada com mais outros ingredientes para dar liga. Uma iguaria bem interessante que pode ser frita ou assada. Fica macia por dentro e bem crocante por fora…

Hmmm… Uma delícia, mas eu só comia de vez em quando, já o Bom Marido era praticamente TODO DIA!

____

Fazendo as contas do quanto gastávamos em média no supermercado, lembro que nos 3 meses em que Lilika e eu alugamos o apê dos nossos amigos do Canadá Diário, eu sozinha gastava CAN$ 14.00 por semana, sendo que eu só fazia compras de 15 em 15 dias.

Com a chegada do Thierry, esse valor dobrou, afinal estávamos em dois e os gastos variavam em torno de CAN$ 30.00 e CAN$ 35.00 por semana.

Bom, por enquanto é isso.

Se eu lembrar de mais alguma informação relevante eu acrescento nas próximas postagens!

Continuem acompanhando as aventuras do Bom Marido no Canadá!

😉

Encerro a postagem com esse esquilinho fofo que ficava todo dia brincando em frente ao nosso prédio!

IMG_3019Uma graça!

Ver esquilinhos todo santo dia em Vancouver sempre animava meu dia!

– Squirrels! I miss you, guys!

IMG_3021

LXXVI. Dono precisa viajar enquanto parentes e amigos se revezam para cuidar do seu gato

Lucky no colinho do papaiApegar-se a um bichinho de estimação pode partir o coração de qualquer um que precisa realizar uma viagem, mesmo que seja apenas por um final de semana.

Não é todo animal que se adapta ou pode ser transportado nas viagens dos seus donos, tendo então que ficar com outras pessoas da casa ou até mesmo em hotéis especializados em pets. Mas quando o dono mora sozinho e não tem como pagar alguém ou um hotel para cuidar do seu animalzinho, o jeito é contar com a solidariedade de parentes e amigos que estejam dispostos a visitar o bichinho com uma certa frequência.

Lucky no colinho da mamãeNo caso do Bom Marido, ele teve que viajar por dois motivos: visitar os avós na Espanha e buscar sua noiva (euzinha) no Canadá. A ideia de deixar o Lucky sozinho quase o fez desistir das duas viagens, mas levando em conta que seus avós estão doentes e não poderão mais fazer suas tradicionais viagens de fim de ano para cá, ele respirou fundo, fez as malas e foi. Ele e a mãe dele.

Durante sua ausência, pessoas muito bacanas se desdobraram para cuidar do pobre gatinho. Os créditos vão para o sogrinho Joseph, meus preciosos pais Luiz e Zélia, e o querido amigo Edson, que foi quem mais conseguiu um tempinho na agenda para cuidar do bichano.

Meus pais até vieram de mala e cuia para passar o final de semana na casa do Bom Marido, mimando e fazendo companhia ao Lucky. Outro dia meu pai veio aqui e passou um tempão jogando sinuca e tocando violão. Sozinho? Não, com o Lucky!

Após sua viagem de 20 dias pela Espanha, o Bom Marido iria direto para o Canadá, porém sua conexão em São Paulo seria de cerca de 15 horas, o que o permitiu vir correndo passar pelo menos algumas horinhas matando as saudades do Lucky. E toca dar uma ajeitada na mala e seguir para o aeroporto novamente…

Lucky "trabalhando" com o papaiDesta vez a viagem foi um pouco mais longa: 40 dias seguidos longe do “miau”, porém pertinho de “moi”! Nem preciso dizer o quanto foi doloroso para o Thierry, afinal o Lucky passa 24h por dia em sua companhia, seja no colo enquanto ele trabalha em frente ao computador, seja na cama, servindo de bichinho de pelúcia.

Se fosse um gato normal que tem o costume de ficar sozinho enquanto os donos saem para trabalhar ou estudar, tudo bem. O problema é que o Bom Marido trabalha em casa e só sai “de vez em nunca” para ir ao supermercado ou para me levar em algum lugar, quando necessário.

Sorte que o Bom Marido é um cara muito querido por todos e muito apoiado pelos seus pais Anita e Joseph, que nunca o deixam desamparado. Meus pais também o adoram e estão sempre fazendo de tudo por nós dois. O Thierry é como um filho para eles!

Papai, mamãe e bebê!Consequentemente, quem se dá bem nessa história toda é o Lucky – o gato mais mimado que eu conheço! Ainda que ele seja meio antissocial e arisco com todo mundo, exceto com o Thierry e comigo, ele certamente ficou muito grato pelo carinho e pelos cuidados dos “avós” Anita, Joseph, Zélia e Luiz e do amigo Edson, em quem ele até deixou umas belas unhadas na mão.

O Bom Marido e eu agradecemos também, de coração!

😉

Só para constar, também fiquei muito mal por estar longe do Lucky. Até pensei que ele nem fosse me reconhecer após 6 meses de viagem, porém ele continua o mesmo bebê fofo, peludo e carinhoso da mamãe!

____

IMG_5556

Lucky brigando com a mala: – Nunca mais leve meus pais, sua mala feia e velha!

IMG_5575

Lucky cochilando com um Chaves rolando ao fundo.

LXXV. Filho de Ouro

Thierry_et_parentsGeralmente quando uma criança recebe muitos mimos e muita atenção dos pais, acaba se tornando uma pessoa chata, frágil, manipuladora, egoísta e cheia de frescuras.

Mas quando, aliado ao excesso de carinho e mimos vem uma educação adequada, o resultado ao longo dos anos é a retribuição de todo esse amor que a criança recebeu.

O sonho de todos os pais é criar os filhos da melhor forma possível e, quando ficarem idosos (ou adoecerem), não serem abandonados por suas crias.

Muitas vezes não é isso o que acontece.

A vida inteira os pais se desdobram para atender às necessidades dos filhos, mas basta precisarem de um favorzinho para ouvirem uma porção de desculpas, fora o comportamento egoísta e uma má vontade gigantesca.

No fundo, esses pais se culpam por terem feito demais por seus filhos sem que eles precisassem se virar para resolver seus próprios problemas. Tudo muito mastigadinho, na boquinha.

E no fundo os filhos sabem que precisam fazer algo por seus pais, mas a preguiça, o egoísmo e a falta de experiência imperam…

Toda essa reflexão me surgiu com base nos últimos acontecimentos aqui na casa do Bom Marido.

Meus sogros precisaram viajar para resolver assuntos muito importantes, mas a grande preocupação seria a cachorra Fox que, sendo muito idosa e de grande porte, não poderia viajar com eles. A solução seria deixá-la aos cuidados do Meu Amado, que por sinal já foi dono da Fox em sua infância.

Fox_3

Confesso que cheguei a pensar que o Meu Amado não saberia lidar sozinho com todos os problemas da Fox, afinal, em mais de 15 anos ela nunca ficou muito tempo longe de casa e dos meus sogrinhos.

A rotina do Meu Amado foi alterada, pois ele teve que passar a limpar xixi e cocô da Fox (onde ela mora é sossegado, pois é como se fosse uma chácara com gramado, terra e bastante espaço); limpá-la com frequência, pois ela acaba pisoteando nas próprias necessidades; dar água e a comida especial dela duas vezes ao dia; proporcionar conforto e um abrigo quentinho para ela descansar; ficar sempre de olho para ver se ela não está precisando de nada; dar amor, carinho e atenção, pois todo animal de estimação precisa disso; entre outras coisas que estão por vir (sessões de acupuntura, medicamentos e etc…)

Fox_2

Qualquer outra pessoa com quintal em casa pensaria: “Mas é só um cachorro. É só deixar lá de boa e pronto”. Mas a Fox precisa de cuidados. Ela está idosa, com um probleminha na coluna, longe da própria casa e das pessoas que ela está acostumada a ver todo dia.

Ainda bem que Meu Amado está conseguindo cuidar dela, mesmo detestando ter que limpar o quintal várias vezes ao dia!

(Ele se preocupa tanto com a Fox que até construiu uma rampa para facilitar que ela suba as escadas.)

A Fox, uma mistura de Pastor Belga com alguma outra raça, deu muitas alegrias para o Meu Amado quando ele ainda morava com os pais, na chácara. Foi ele que escolheu aquela bolinha preta e peluda que corria e brincava todo dia com ele pelo gramado e era forte, robusta, atlética e cheia de vida.

Fox_4

Mas a velhice chega para todos, até para os animais. É por isso que temos que continuar cuidando muito bem deles, afinal, assim como nossos pais, os bichinhos também não merecem ser abandonados e esquecidos em um canto qualquer.

#ficaadica

Fox_1

XXXVIII. Confiança

Ah, essas minhas viagens

Viajando a trabalhoQuando não são para estudar, são para trabalhar!

E, sem dúvida, o pobre do Bom Marido é quem mais sofre com isso.

Mas o que eu posso fazer?

Eu tenho que trabalhar. Tenho que garantir meu sustento e alavancar minha carreira.

Infelizmente não posso ser a “Esposa dos Sonhos”, aquela Amélia que fica o dia inteiro em casa fazendo de tudo para o marido.

Ainda bem que ele entende isso. Por mais que eu perceba seu triste olhar, sei que ele sabe que não existe outra alternativa, a não ser ganhar na Loteria, não é? Assim eu não precisaria trabalhar tanto!

Mas eu gosto de trabalhar. Acredito que, mesmo se eu ganhasse na Loteria, eu continuaria trabalhando alucinadamente, afinal esse é o combustível para minha vida.

E enquanto estou aqui no meio de mais uma viagem a trabalho, não consigo deixar de pensar no Meu Amado.

Muita gente deve se perguntar se eu não tenho receio de viajar e deixar meu “namorido” sozinho por aí.

Tudo é uma questão de confiança e de consciência também.

Eu sei que posso confiar no Meu Príncipe Encantado.

E o Meu Príncipe Encantado pode confiar em mim também e pronto!

Minha consciência está mais do que tranquila. Todo o tempo do mundo que eu tenho livre sem estar com Meu Amado ou minha família, estou com meu Trabalho, que é minha outra grande paixão.

Todo mundo sabe disso.

Thierry nanando com o gato

Olha que lindos meus dois bigodudos! *.*

E outra coisa: eu não fico procurando pelo em ovo ou imaginando “coisas” quando estou longe do Bom Marido. Prefiro confiar e acreditar que tudo está na mais perfeita ordem.

E espero que ele esteja fazendo o mesmo lá na casinha dele, sossegadinho, com nosso “bebê” Lucky a tiracolo!

Não é, Mon Amour?

Aguente aí mais esses quinze dias que já já eu estou de volta, viu?

Gros bisous, mon cher!

Je t’aime beaucoup! ^^