CIII. Saúde! Agora o Bom Marido é fã de frutas, legumes e verduras!

2016 começou um pouco diferente na cozinha do Bom Marido.

Aliás, há algum tempo a lista de compras foi sofrendo algumas modificações, desde a redução do consumo de refrigerantes, guloseimas e gordurebas, devido ao preço elevado no supermercado.

Pois é… A falta de grana acabou nos ajudando a estocar menos porcaria em casa!

Mas o que deu aquele “plim” na cabeça do Bom Marido foi termos assistido a alguns documentários que eu havia pedido para ele baixar. Documentários estes que eu já havia assistido quando estive no Canadá na época em que eu estava fazendo o curso de Green Leadership (Liderança Verde) na ILSC-Vancouver e a professora havia passado uma lista de filmes como sugestão para complementar as aulas.

Aproveitando que eu estava no apartamento dos amigos Dimitri e Fabiana, do Canal Canadá Diário e eles haviam liberado a senha do Netflix deles, eu pude assistir a vários desses documentários recomendados pela querida professora Bari Blackhart.

Porém, me deu uma vontade de assisti-los novamente, bem como assistir aos que eu não tive tempo. E assim, Meu Amado baixou:

  1. Fat, Sick and Nearly Dead (Gordo, Doente e Quase Morto)
  2. Food Inc. (Alimentos S.A.)
  3. Food Matters (O Alimento é Importante)
  4. Hungry for Change (Fome de Mudança)

Todos os documentários falam da relação entre alimento e saúde, enfatizando as escolhas que fazemos no nosso cotidiano. Escolhas que podem ser prejudiciais não somente a nós e à nossa família, como também ao meio ambiente.

Gostamos muito do documentário “Fat, Sick and Nearly Dead”, pois foi o mais divertido, menos dramático e ainda assim muito elucidativo.

fatsickandnearlydead-sub

Trata-se da história de um cara chamado Joe Cross que estava realmente Gordo, Doente e Quase Morto e por isso resolveu dar a volta por cima para recuperar a saúde, através do desafio de fazer seu corpo se curar sozinho somente pela ingestão de sucos naturais de frutas, legumes e verduras, por um prazo de 60 dias.

Parece utópico e totalmente errado ficar 2 meses só tomando sucos, mas o cara teve acompanhamento de médicos e nutricionistas e viajou pelos EUA com sua centrífuga, seu gerador e sua “feirinha” no carro, contando sua história de vida para várias pessoas, chegando inclusive a incentivar algumas a fazerem o mesmo!

Bem bacana o sucesso e a repercussão que ele teve. O mais impressionante foi a mudança, não apenas externa (o cara ficou enxuto e com uma aparência super saudável), mas também interna, pois o próprio organismo dele começou a não sentir mais vontade de consumir porcarias. Até os medicamentos ele, que sofria de uma doença autoimune, acabou não precisando mais tomar.

Ele mostra tudo isso no documentário. Só não mostra detalhadamente as receitas dos sucos que ele foi tomando.

Mas eis que foi só pesquisar no Google e encontrar o site dele, o Reboot With Joe (Recomece com Joe) onde pude encontrar dicas, receitas, informações sobre os benefícios dos sucos e de cada ingrediente recomendado.

No filme, Joe carrega sua centrífuga para cima e para baixo. O Bom Marido e eu sempre quisemos ter uma centrífuga, mesmo não sabendo direito como funcionava uma. Achávamos prático e divertido ver frutas e legumes virarem suco em poucos segundos!

Como não tínhamos centrífuga, tentaríamos utilizar o liquidificador.

Primeiro eu pesquisei no site do Joe algumas receitas de sucos que eu achava que o Bom Marido e eu iríamos gostar (tem suco para melhorar as articulações, limpar o organismo, amenizar dor de cabeça, levantar o astral, curar resfriados e muito mais), anotei os ingredientes necessários para fazer estes sucos e fomos até um Hortifrúti Vila das Frutas providenciar tudo.

Assim que chegamos, já lavamos e embalamos tudo, cortamos e congelamos o que podia ser congelado e armazenamos tudo direitinho para que nada estragasse, afinal, não se pode desperdiçar quando as finanças estão em baixa, certo?

E assim tentamos fazer nossos primeiros sucos.

Querem saber o resultado? Então aguardem as próximas postagens, pois esta aqui já ficou enorme, pra variar!

____

Obrigada pela visita e até à próxima!

😉

____

Ah, só para deixar claro! Nem o Bom Marido e nem eu tencionamos perder peso tomando suco!!! Nossa meta é mudar nossa alimentação aos poucos, deixando-a cada vez mais saudável, por isso começamos a tomar pelo menos um suco de frutas, verduras e legumes por dia, ainda assim dividindo uma porção para nós dois!

Se o Bom Marido perder um quilo sequer, o coitado sai voando!

Mas segue um spoiler aqui: a aparência dele está bem melhor. Mais corado, com mais energia e com a pele bem mais bonita.

E não foi só com o suco, pois ele passou a comer frutas, beber mais água e não torce mais o nariz para os legumes na comida! (Vide a primeira foto que postei acima, do macarrão colorido que eu fiz para ele com molho branco e… LEGUMES! Ele adorou!!!)

😉

Anúncios

LXXXIII. O Bom Marido no Canadá – Hash Browns, No Frills, No Name, Whole Foods and Squirrels

Obs. Parece um palavrão, mas é só o título dessa postagem!

IMG_3966Vamos lá…

Os primeiros dias no apê novo foram bem tranquilos.

Ir a pé para a escola era uma delícia, ainda mais porque todas as ruas de West End até Downtown são belíssimas e cada dia eu fazia um trajeto diferente, só para conhecer melhor a região.

IMG_3024No dia seguinte à mudança, 06 de janeiro de 2015, já tratamos de ir ao supermercado No Frills (cujos preços eram mais em conta) afim de comprarmos nossas comidinhas da semana. O Whole Foods era bem mais perto, ecológico e chiquetoso, mas experimente comparar um Extra a um Pão de Açúcar. O No Frills estaria mais para o Extra, claro.

Lilika só comprava no Whole Foods, ainda mais pela variedade de produtos integrais, naturebas e afins que ela curte.

Para ser sincera, se eu pudesse eu só comprava nele também, mas o máximo que eu fazia era passar lá de vez em quando para conhecer produtos novos, pois sempre rolavam degustações e demonstrações nos corredores.

Nourish_Almond_VanillaOutro dia ganhei um sachezinho de hidratante de amêndoa com baunilha que durou 2 semanas! Uma organic body lotion da marca Nourish. Ótimo para a pele ressecada por causa do frio.

Mas eu via mais vantagens ao comprar no No Frills. O pacotinho de salada lá custava menos de CAN$ 0.90 e já vinha prontinha para comer. Durava mais de uma semana na geladeira. Era só abrir a embalagem, colocar no prato e temperar!

Como o Bom Marido e eu estávamos comprando nossas comidinhas juntos, sempre comprávamos besteirinhas do tipo: batata frita President’s Choice, hash browns, cookies President’s Choice, a maldita Coca-Cola dele, peanut butter e afins. Tirando algumas marcas específicas, priorizávamos os produtos sem marca (No Name), pois ficavam um pouquinho mais em conta e a qualidade era boa também.

IMG_2304Ficávamos sempre de olho em ofertas e passávamos boa parte do tempo tentando calcular o custo x benefício dos produtos. Para mim era divertido, pois eu adoro fazer hora no supermercado, mesmo que eu não compre nada.

Eu sempre andava com minhas ecobags na mochila, assim não precisaríamos pagar pelas sacolas plásticas do supermercado e colaborávamos com o meio ambiente também!

Voltávamos com bastante peso na mochila e nas bags. Nosso apê era no 11º andar e eu sempre subia de escada, pois detesto elevador.

IMG_3026Uma coisa que comprávamos bastante lá pois o preço sempre estava bom eram os sacos de filé de peixe congelado. E todo dia a gente comia filé de peixe grelhado ou desfiado com molho branco à lá Thierry, arroz integral e salada (para mim) e Hash Brown (para o Thierry, que ficou viciado!)

Hash Brown é tipo um disco de batata ralada e misturada com mais outros ingredientes para dar liga. Uma iguaria bem interessante que pode ser frita ou assada. Fica macia por dentro e bem crocante por fora…

Hmmm… Uma delícia, mas eu só comia de vez em quando, já o Bom Marido era praticamente TODO DIA!

____

Fazendo as contas do quanto gastávamos em média no supermercado, lembro que nos 3 meses em que Lilika e eu alugamos o apê dos nossos amigos do Canadá Diário, eu sozinha gastava CAN$ 14.00 por semana, sendo que eu só fazia compras de 15 em 15 dias.

Com a chegada do Thierry, esse valor dobrou, afinal estávamos em dois e os gastos variavam em torno de CAN$ 30.00 e CAN$ 35.00 por semana.

Bom, por enquanto é isso.

Se eu lembrar de mais alguma informação relevante eu acrescento nas próximas postagens!

Continuem acompanhando as aventuras do Bom Marido no Canadá!

😉

Encerro a postagem com esse esquilinho fofo que ficava todo dia brincando em frente ao nosso prédio!

IMG_3019Uma graça!

Ver esquilinhos todo santo dia em Vancouver sempre animava meu dia!

– Squirrels! I miss you, guys!

IMG_3021

LXXXII. O Bom Marido no Canadá – Bagunças e Bagagens!

IMG_2095

O dia 04 de janeiro de 2015, pleno domingão, foi dia de…

Arrumar as malas!

Como minhas aulas começariam na segunda-feira, dia 05, e nossa mudança também estava marcada para o dia 05, resolvemos aproveitar o domingo para organizar tudo.

Para quem não pegou a história desde o começo, eis o resumo: minha irmã Lilika e eu fomos para Vancouver fazer um intercâmbio de 6 meses.

No primeiro mês ficamos em uma homestay. No segundo mês ficamos no apê dos amigos Dimitri e Fabiana (Canadá Diário) com eles. Nos terceiro, quarto e quinto meses, nossos amigos do Canadá Diário viajaram para o Brasil e deixaram o apartamento deles para Lilika e eu alugarmos.

No sexto mês seria inviável ficarmos todos juntos no mesmo apê, afinal eles são em 4 e o Thierry estaria vindo passar um mês comigo, ou seja, 7 pessoas em um apartamento? Seria bem desgastante para todos, ainda mais com nossos amigos voltando de viagem cansados, com crianças e, obviamente, almejando um pouco de paz, sossego e privacidade!

IMG_2098Enfim… Lilika e eu havíamos visitado alguns apartamentos para alugar e escolhemos o de uma brasileira super bacana e muito guerreira que mora há mais de 12 anos fora do Brasil. Vimos o anúncio dela no Craigslist e, uma vez estando perto para visitar o local e conhecer a pessoa, ficou muito mais fácil e confiável.

O apê não era um palácio, mas era bem ajeitadinho e caberia nós três numa boa. Alugamos por um mês, do dia 06 de janeiro ao dia 06 de fevereiro, porém a dona disse que poderíamos nos mudar na segunda-feira, dia 05, à tarde.

No domingo e na segunda demos uma bela limpada no apê dos nossos amigos e arrumamos nossas malas também.

Nessas horas a gente vê o tanto de coisas que acumulamos em 5 meses de viagem…

Segunda-feira, após à aula, terminamos de organizar alguns itens que faltavam e lá fomos nós, de mala e cuia, para o apartamento que alugamos pertinho do centro.IMG_2104Nem lhes conto o tanto que rimos e sofremos com o transporte das bagagens!

Quisemos levar tudo o que dava de uma só vez e o resultado foi: 3 brasileiros atrapalhados queimando as rodinhas das malas no asfalto! Foi hilário!

Tivemos que fazer uma baita volta na estação Lougheed Town Centre, pois uma das entradas estava em reforma e a outra estava sem rampa, então tivemos que ir lá para o outro lado, onde conseguimos embarcar.

Descemos na Granville Station, já no centro, e andamos até à Richard Street para ainda pegarmos um ônibus até o nosso novo lar… Ufa!

IMG_2108Mas ainda não tinha acabado! Algumas coisas tinham ficado para trás lá no apê dos amigos… E toca fazer a segunda viagem, porém menos sofrida que a primeira. Menos sofrida para nós, pois uma das malas ficou tão estressada que a rodinha quase explodiu!!!

Foi uma jornada e tanto, mas chegamos… Sãos e salvos, chegamos.

Depois disso foi só curtir o novo lar que já veio todo limpinho, equipado e abastecido pela própria dona. Sem frescuras, sem preocupações. Lar, doce temporário lar.

IMG_2267Fiquem ligados nos próximos capítulos!

😉