CV. Juntos somos mais fortes!

IMG_8815

Apesar do blog (e do livro) se chamar “Como Ser Um Bom Marido”, é inegável que a “Boa Esposa” também tenha que existir, senão não rola o equilíbrio.

Desde o lançamento do livro em 07 de dezembro de 2013, tenho percebido várias reações das pessoas com relação ao título e à capa do mesmo. Dentre estas reações, as mais bizarras foram as de algumas pessoas mais velhas que acham que eu não tenho vivência o suficiente para escrever sobre um relacionamento.

Recebi muitos elogios pelos meus textos, pelo meu empenho e pela ousadia de lançar um livro que trata de um tema tão complexo que é o casamento. Complexo, pois não é só dizer “sim” no altar e viver feliz para sempre. Tem todo um desenrolar de situações e comportamentos que vão desde o namoro e se prolongam até que a morte (ou o divórcio) marque o ponto final.

Mesmo não estando oficialmente casada eu sei disso!

Mas para alguns, colocar um sapo na capa de um livro e um título que fala em “Como Ser Um Bom Marido” é um absurdo. É uma ofensa. Quem sou eu para falar de Bom Marido? Por que não coloquei “Como Ser Uma Boa Esposa”? E por aí vai…

Esses questionamentos nunca foram um problema para que eu continuasse firme e forte na minha missão de mostrar ao mundo como um relacionamento pode sim durar nos dias de hoje.

Nunca propus que fosse perfeito. Nunca propus que fosse eterno. Só proponho que seja uma troca justa e verdadeira. Mais que uma parceria, uma equipe que joga junto, ganha ou perde JUNTO. E tenho dito!

____

E falando em jogar junto, o Meu Amado e eu começamos muito bem o ano nessa pegada.

A princípio, notei que não custava nada eu tentar me arriscar mais vezes no fogão ao invés de deixar essa função somente para ele.

Comecei com um macarrãozinho ao molho branco e legumes, depois um purê de batata-doce e gengibre e isso se estendeu pelos sucos que começamos a tomar desde que assistimos a alguns documentários sobre alimentação.

Nesse caso, nenhuma mudança é ou deve ser radical para que a situação se estabeleça. Dizem que uma pessoa leva cerca de 66 dias para se habituar a uma nova rotina. Pois bem, o Bom Marido e eu ainda estamos nos primeiríssimos passinhos de bebê para uma alimentação mais saudável. De pouquinho em pouquinho a gente chega lá.

Desde que começamos a namorar, acredito que ele tenha mudado (para melhor, digamos assim) muito mais que eu. Parou de fumar, reduziu o consumo de refrigerante, começou a se interessar por frutas, legumes e verduras, reduziu a ingestão de açúcar e até mesmo a carne vermelha, que ele tanto ama.

Talvez tenha mudado por minha causa. Talvez tenha mudado por questões de saúde (ou por causa dos preços no supermercado!!!). Que seja.

Em 5 anos muitas coisas acontecem na vida das pessoas. Influências, situações, pessoas que chegam, pessoas que se vão… Tudo isso serve para um amadurecimento e para uma mudança de comportamento. Tudo nos afeta de alguma forma, mesmo que a gente insista em dizer que nada nos abala. Abala sim. Em maior ou menor escala, mas abala!

Mas o bom de tudo é poder mudar (para melhor, sempre) em equipe, ainda que sejam  apenas dois membros. Um acompanhando as mudanças do outro. Mudando juntos, melhorando juntos, aprendendo juntos. Sem forçar, sem obrigar, sem encher o saco. Tudo de forma orgânica e harmônica. Certo?

____

Sendo assim, em ritmo de mudança e experimentação, segue um pouco mais do nosso desenrolar com a história dos sucos e afins:

::: Nada como almoçar um lanchinho leve como esse da primeira fotinho acima:

  • Pão caseiro com patê de atum, acompanhado de salsão e alho-poró!

::: À tarde, um suquinho diferente:

Receita do já citado site do Joe Cross (Reboot With Joe):

Ingredientes:

  • 3 tomates grandes
  • 3 talos de salsão
  • 2 cenouras
  • 1-2 pimentas frescas (opcional)

Preparo:

  • Lave bem todos os ingredientes
  • Se necessário, corte em pedaços menores para caber na centrífuga (Se fizer no liquidificador, assim como o Bom Marido e eu começamos fazendo, cortar e acrescentar água é sempre importante para conseguir bater tudo direitinho. Neste caso, é bom coar antes de tomar)
  • Processe tudo e sirva!

Substituições:

  • Tomates – rabanete, beterraba, repolho roxo
  • Salsão – abobrinha, pepino
  • Cenoura – batata-doce, beterraba
  • Pimenta – açafrão, pimenta seca

Tempo de preparo: 5 minutos

Rendimento: 1 porção (Como o Bom Marido e eu dividimos tudo o que fazemos, deu 300ml para cada um)

::: À noite, olha que delícia de jantar feito pelo Bom Marido, com a minha ajudinha!

Os Chips também fazem parte das receitas do site do Joe Cross! Acho que viramos fãs desse cara!

Ingredientes:

  • 2 Batatas-doces médias
  • 2 cenouras grandes
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • 1 colher de chá de pimenta do reino
  • 1/4 colher de chá de pimenta
  • 1/2 colher de chá de sal marinho

Preparo:

  • Preaqueça o forno em 215º.
  • Descasque as batatas-doces e as cenouras.
  • Corte as batatas-doces ao meio, no sentido do comprimento e corte cada metade em quatro fatias iguais.
  • Para as cenouras, corte-as ao meio. Divida cada parte no sentido do comprimento e e corte cada pedaço em duas ou três fatias, quase do mesmo tamanho das batatas.
  • Coloque as batatas e as cenouras em uma tigela e salpique com o óleo, as pimentas e o sal.
  • Espalhe as batatas e as cenouras em uma assadeira forrada com papel manteiga.
  • Asse por 30 minutos até os pedaços ficarem tenros por dentro e levemente dourados por fora, com as pontas levemente crocantes.

Rendimento: 4 porções

____

E então, gostaram das receitinhas?

Espero que sim!

Obrigada pela visita e até à próxima!

😉

____

 

Fundo_blog

XVIII. Café e chocolate para animar?

Je lui ai dit: "Nous avons trois types de chocolat: Bis, Kit-kat et l'Orange Noir (Côte d'Or)..." rsrs nham!

Todo relacionamento que se preze precisa ser visto como uma parceria, uma união de forças.

É fundamental que haja sempre uma troca, onde o que um faz aqui, o outro retribui ali, mas sem cobrança, afinal tudo tem seu tempo e seu momento certo de acontecer.

Tenho notado que meu Príncipe Encantado tem sofrido uma avalanche de trabalhos (freelas) e, diferentemente de uma pessoa elétrica como eu, trabalhar demais o deixa estressado (já no meu caso, desestressa!).

Eu gosto de trabalhar e gosto quando as pessoas que eu gosto também gostam de trabalhar, gostoso isso, né? rsrs

Então, para fazer meu amado apreciar um pouco mais seus momentos de labuta, eu me sinto no dever de incentivá-lo, seja com palavras de motivação, seja com simples gestos que fazem toda a diferença no cotidiano de um casal.

Lembro dos dias em que eu tinha que madrugar para fazer algum trabalho longe e, obviamente precisei que ele me levasse de carro até a estação de metrô. Ele praticamente NÃO DORMIA, com medo de eu perder a hora. Ele inclusive ía até a cozinha cerca de meia hora antes do meu despertador tocar e preparava um delicioso café da manhã com pães de queijo assados na hora! Eu já acordava com a bandeja no colo!

Passada essa fase do sufoco dele acordar super cedo por minha causa, agora ele dorme até mais tarde. Mas eu não. E quando não resolvo dar uma geral na cozinha, faço um cafezinho para ele também.

Mas não é só de manhazinha que a gente toma café. Agora mesmo ele chegou no quarto e deitou na cama cansadaço por ter que fazer um trabalho complicado no computador… Perguntei: “Café e chocolate pra animar?” Claro que ele aceitou. Então fui até a cozinha, fiz o café e peguei uns chocolates no armário. Simples.

Não fiz nada de mais. O café, a cafeteira faz. Os chocolates sempre estão no armário, é só abrir e pegar. Mas o simples gesto de preparar esse lanchinho foi o suficiente para dar uma animada no Bom Marido. Ele tem o costume de agradecer por qualquer gentileza que alguém faz. E só de ouví-lo docemente dizer: “Merci, mon amour!” já vale a pena!

Ele merece isso e muito mais, afinal está se esforçando para ganhar o dinheirinho suado dele, fazendo diversos trabalhos que, se ele pudesse trocaria tudo por incríveis produções cinematográficas (não querendo puxar o saco, mas ele manja muito de câmeras, edição, fotografia e tudo mais). Mas ele sabe que é preciso lutar, mesmo que as forças sejam mínimas, para conseguir chegar onde se quer.

E não só eu, mas a família, os amigos, os colegas que o estimam, nós todos temos o dever de incentivar esse cara maravilhoso que ele é.

Sorte minha ter um Bom Marido, não é mesmo?

😉