CIX. Há 38 anos…

O casal que melhor representa este blog e consequentemente o livro Como Ser Um Bom Marido – Porque toda mulher tem o Príncipe Encantado (ou o Sapo) que merece! é um dos casais mais adorados da família!

É claro que sou muito suspeita para falar deles, mas como eu convivo de perto e acompanho a trajetória deste amor desde que nasci (inclusive sou feita do puro amor desses dois!), então eu tenho propriedade para dizer que este é o par mais fofo, mais unido e mais verdadeiro que eu conheço.

Posso citar vários outros casais que admiro e percebo que se respeitam de igual forma, mas hoje é dia de celebrar este que comemora 38 anos de união.

2013_12_07_LançamentoBM9Já os homenageei muito aqui, e faço questão de sempre homenagear, afinal eles servem de inspiração para parentes, amigos e até conhecidos que os vêm sempre unidos, tranquilos, sorridentes, prestativos e conselheiros.

Como será que eles conseguem?

O que passa na cabeça de um casal para que a harmonia permaneça dentro e fora de casa, afinal um casamento de 38 anos não duraria se fosse apenas uma fachada de sorrisinhos e “benzinho pra lá”, “meu amor pra cá” na frente dos outros, certo?

As respostas, talvez só eles mesmos possam dar (fica a dica para uma próxima postagem que pretendo fazer, com perguntas respondidas por eles), mas o que eu percebo que prevalece neste casamento é o respeito mútuo.

CapaLivro2KE muito carinho também, claro! E muito diálogo, que é um dos pontos que eu enfatizo no meu já citado livro Como Ser Um Bom Marido.

Nenhuma situação fica sem ser resolvida. Surgiu um problema? O diálogo ocorre.

Fora que, em todo relacionamento de sucesso, é preciso ter paciência e saber ceder. E isso eu observo bastante nos meus pais.

Acredito que muitos casais da atualidade deveriam se espelhar em relacionamentos assim, pois hoje estamos vivendo uma fase de muito individualismo, muito orgulho, muito medo de amar e muita impaciência para resolver os problemas do cotidiano.

Na hora da raiva, as pessoas jogam tudo para o alto, falam o que não devem, ofendem e depois se arrependem, mas as palavras machucam muito e nem sempre as feridas são fáceis de cicatrizar.

Eu ainda estou aprendendo! Mas preciso fazer um workshop detalhado com meus pais!

Eles estão de parabéns por serem quem são, do jeito que são, felizes, de boa, sem encherem o saco de ninguém e sempre ajudando a quem precisa!

Portanto, Mamãe e Papai:

Parabéns pelos 38 anos de amor, respeito, carinho, aprendizado, companheirismo, parceria, alegria, conquistas, generosidade, compreensão e muitas coisas boas que vocês cultivaram esse tempo todo!

Parabéns pelos 38 anos de casório!

Amo vocês! ❤

IMG_6394

CVIII. Depois da Dengue!

 

Uhu!!! We’re back!

Nossa… Após uma dengue que derrubou nós dois numa tacada só, além de outras coisinhas que aconteceram, eis que estamos de volta!!!

– E com guloseimas!

Yeah!

Bem… Conforme eu havia dito anteriormente, eu simplesmente abarrotei meu WordPress com fotos e mais fotos de 2011 para cá e acabou que eu estourei o limite de espaço, o que agora me impede de postar fotos diretamente aqui.

Eu até tentei apagar algumas, mas deu um trabalhão, pois muitas fotos se conectam aos textos, então seria um parto analisar uma por uma e ver quem roda e quem fica, mas enfim…

Graças ao Instagram, eu consigo linkar uma imagem que eu postei lá e jogar para cá, o que não fica esteticamente do meu agrado, pois junto com a imagem, vem o texto todo que eu postei lá no IG, incluindo as hashtags.

E tenho que falar uma coisa, eu adoro hashtags! kkk Preciso aprender a usá-las com moderação, mas confesso que eu me empolgo bastante.

Anyways, let’s move on!

Move on pra onde? Bem, se eu pudesse, todos sabem que seria para o Canadá, mas neste caso, vamos apenas seguir em frente, mudar de assunto e fim de papo!

Ok, onde eu parei? Ah, nas fotos.

Bem, sendo assim, aqui neste blog (até eu ter grana para transformá-lo em site) vou linkar sempre coisas do Insta, beleza?

E vamos começar com o pão de queijo pós dengue.

Ficar doente é um saco, mas tem lá suas utilidades (olha eu, sempre enxergando o lado positivo de tudo, pra variar!). E uma das utilidades de ficar dodói é poder destrinchar a internet atrás de coisas interessantes para assistir, mesmo com os olhos quase fechando de dor.

Em um desses dias de bode, eu vi um vídeo da Ana Maria Braga ensinando a fazer pão de queijo.

Eu nunca soube fazer pão de queijo na vida, aliás, nunca soube fazer nada na cozinha além de sanduba e miojo, mas faz um bom tempo que venho tentando adentrar nesse terreno perigoso da culinária. E não é que estou gostando?

Pois bem, peguei a receita de cabo a rabo e na primeira ida ao mercado, já tratei logo de providenciar os queijos certos e o tal do polvilho doce.

Vou te contar, hein? Vendo a Ana Maria fazer, parece tão fácil, cheia das assistentes ao lado, tudo prático, mas na real é bem difícil amassar toda aquela massa e fazer as bolotinhas.

Resumindo a história, fiz mais de 100 bolinhas, assei algumas e congelei o resto.

O diacho ficou uma belezinha, viu? Pelo menos o Bom Marido adorou! Até minha mãe levou uns para assar em casa e gostou bastante também!

Mas vale a pena, hein? Muito melhor que comprar pão de queijo congelado no mercado ou gastar um dinheirão tomando café na padoca. Pão de queijo feito em casa é o que há!

– Valeu, Ana Maria!

Pão de queijo! ❤️ #euquefiz #pãodequeijo #anamariabraga #maisvocê #delícia #quentinho #pãodequeijocomcafé

A post shared by Elaine Thrash Oliveira (@elainethrash) on

E a dengue? Bem… O Bom Marido ficou muito pior que eu. Sério. O coitadinho achou que fosse passar dessa pra melhor, e eu incrédula, achando que não era pra tanto. Se não fossem nossos pais terem vindo cuidar da gente, não haveria pão de queijo pra contar a história.

Falando nisso, deu uma fome… Vou lá no congelador pegar um pacotinho de pão de queijo que eu mesma fiz e assar para o lanche! 😉

Segue a receita para quem quiser tentar em casa:

Pão de Queijo Supimpa Que Eu Vi no Programa da Ana Maria:

Primeira parte:

  • 1 copo de óleo
  • 1 copo de água
  • 2 colheres (sopa) de sal

Junte tudo numa panela e deixe ferver.

Segunda parte:

  • 1 kg de polvilho doce
  • 4 a 6 ovos (depende da consistência da massa)
  • 250gr a 300gr de queijo minas padrão
  • 100gr de queijo ralado parmesão (ralado em ralo fino)

Coloque o polvilho em uma tigela bem grande e vá jogando a mistura da panela aos poucos. Isso é o que a Ana Maria chama de “escaldar” o polvilho.

Amasse bem e acrescente um ovo por vez, sempre amassando para ver se precisa colocar mais.

Assim que a massa estiver bem macia, acrescente os queijos e continue amassando até a ficar bem homogênea. Se ficar muito mole, coloque mais polvilho ou espere esfriar antes de fazer as bolinhas.

Com a ajuda de uma colher, faça bolinhas não muito pequenas e coloque em uma forma para assar ou congelar.

Tempo de forno: 30 a 35 minutos a 180º. Sempre é bom verificar se não escureceram demais, senão ficam duros.

Sirva com amor e café! ❤

____

Espero que tenham gostado!

😉

XCII. Depoimento de um Bom Marido sobre sua Boa Esposa

DSC02409Hoje é dia 15 de julho de 2015.

Há exatos 37 anos, um jovem casal entrava no altar para dar início a uma vida repleta de paz, amor, felicidade, carinho, companheirismo e compreensão.

Acho muito linda a história de amor desses dois que se conheceram na Bahia quando ele foi ao casamento de seu irmão com a tia dela. Depois desse dia, começaram a trocar cartas, namorando dessa forma durante cerca de um ano.

Às vezes, ele viajava de São Paulo até à Bahia em um feriado prolongado, enfrentando uma longa e cansativa viagem de ônibus, só para chegar lá, conversar com o futuro sogro, dar um beijo em sua amada e depois voltar para São Paulo.

DSC01151Casaram-se na Bahia, mas foram viver em São Paulo, onde tiveram duas filhas.

Aproveitaram bem os 3 primeiros anos de casamento passeando bastante, viajando, fazendo planos para o futuro e se estabilizando para então começarem uma família.

A primeira filha chegou tranquilamente. 3 anos depois veio a segunda, não tão tranquila assim! Rs!

Até hoje dedicam suas vidas a elas, bem como a ajudar aos parentes e amigos que precisam.

Levam uma vida simples, sem frescuras e ostentações, mas recheada de amor, carinho, generosidade e esperança.

Um casal que todo mundo ama e admira. Um casal que está sempre junto na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, sempre firmes e fortes, com a bênção de Deus!

Um casal que tenho o maior orgulho de chamar de MEUS PAIS!

– Parabéns, Luiz e Zélia! 37 anos de casório não é para qualquer casal, não! Continuem assim: se completando, se ajudando, sendo compreensivos, companheiros e carinhosos para sempre.

Muita paz, muita saúde, muita fartura e muito amor em suas vidas!

Obrigada por serem meu alicerce e me ensinarem tantos valores importantes que levo comigo para todo lugar.

Obrigada por serem o casal mais fofo e querido da família!!! AMO VOCÊS!!!

FELIZ 37 ANOS DE CASADOS!!! ❤ ❤ ❤

DSC02348____

E para completar essa postagem, segue um videozinho que gravei em fevereiro de 2012, quando estávamos comemorando o aniversário da minha irmã Eliane no restaurante México 70, em Guarulhos.

DSC02411Era para eu ter postado esse vídeo antes, mas achei que tivesse perdido esse registro em meio aos backups do meu computador problemático. Fora a minha total incapacidade e falta de paciência para editar vídeos!!! (Shame on me!)

Mas está aí: cru, tosco, divertido, bagunçado, mas com uma mensagem muito importante a ser transmitida: O MAIS PURO AMOR!!!

Espero que gostem! 😉

____

LXXVII. Mutirão da faxina!

faxinaQuem não gosta de uma casa sempre limpinha, aconchegante e cheirosinha, não é verdade?

Mas para manter qualquer ambiente limpo e adequado para a convivência é preciso deixar a preguiça de lado e mandar ver na faxina. Há quem pague para alguém fazer este serviço. Há quem prefira economizar e fazer tudo do seu jeito, seja ele qual for.

Na casa do Bom Marido quem sempre está com vassoura, rodos e panos em mãos sou eu. Confesso que ele não é muito fã de faxina e não tem muito jeito com isso. Sendo assim, cada um equilibra suas habilidades e faz a sua parte: ele cozinha e eu limpo.

Como fiquei ausente por 6 meses por conta do meu intercâmbio, já imaginei o estado em que a casa do Bom Marido iria ficar, ainda mais tendo bichinho de estimação em casa, o que requer um cuidado ainda maior na limpeza. Seriam semanas e mais semanas de pelo de gato voando pela casa, poeira, grude, roupa e louça espalhadas por todo canto e muito mais…

A solução para este problema foi acionar o Mutirão da Faxina!

Ninguém melhor que minha mãe, Dona Maria Zélia, para deixar qualquer casa brilhando de tão limpa. Como diz meu querido Tio Salvador, “A Zélia é a rainha da limpeza!” E a família inteira assina embaixo.

E com muito carinho e disposição, Mamãe Querida veio até a casa do Bom Marido para fazer uma super faxina por mim. E não a fez sozinha! Meu digníssimo Papai e o Bom Marido arregaçaram as manguinhas também, e pelo que fiquei sabendo, a casa ficou novinha em folha.

Fico muito feliz com o carinho que meus pais têm pelo Thierry. Eu torço para que existam por aí relações tão harmoniosas e saudáveis assim, afinal família é um bem muito precioso e temos que saber cuidar e reconhecer o que cada membro faz por todos. Sendo assim, o Bom Marido e eu só temos a agradecer pelos anjos da guarda (nossos pais) que estão sempre por perto fazendo de tudo por nós!

Somos realmente sortudos e abençoados, não é mesmo?

😉

Bom, agora chega de conversa pois eu tenho que fazer sabem o quê?

Isso mesmo… FAXINA!

Abraços e até a próxima!

31 de Dezembro de 2012. Primeiro Reveillon na casa do Thierry!