CVIII. Depois da Dengue!

 

Uhu!!! We’re back!

Nossa… Após uma dengue que derrubou nós dois numa tacada só, além de outras coisinhas que aconteceram, eis que estamos de volta!!!

– E com guloseimas!

Yeah!

Bem… Conforme eu havia dito anteriormente, eu simplesmente abarrotei meu WordPress com fotos e mais fotos de 2011 para cá e acabou que eu estourei o limite de espaço, o que agora me impede de postar fotos diretamente aqui.

Eu até tentei apagar algumas, mas deu um trabalhão, pois muitas fotos se conectam aos textos, então seria um parto analisar uma por uma e ver quem roda e quem fica, mas enfim…

Graças ao Instagram, eu consigo linkar uma imagem que eu postei lá e jogar para cá, o que não fica esteticamente do meu agrado, pois junto com a imagem, vem o texto todo que eu postei lá no IG, incluindo as hashtags.

E tenho que falar uma coisa, eu adoro hashtags! kkk Preciso aprender a usá-las com moderação, mas confesso que eu me empolgo bastante.

Anyways, let’s move on!

Move on pra onde? Bem, se eu pudesse, todos sabem que seria para o Canadá, mas neste caso, vamos apenas seguir em frente, mudar de assunto e fim de papo!

Ok, onde eu parei? Ah, nas fotos.

Bem, sendo assim, aqui neste blog (até eu ter grana para transformá-lo em site) vou linkar sempre coisas do Insta, beleza?

E vamos começar com o pão de queijo pós dengue.

Ficar doente é um saco, mas tem lá suas utilidades (olha eu, sempre enxergando o lado positivo de tudo, pra variar!). E uma das utilidades de ficar dodói é poder destrinchar a internet atrás de coisas interessantes para assistir, mesmo com os olhos quase fechando de dor.

Em um desses dias de bode, eu vi um vídeo da Ana Maria Braga ensinando a fazer pão de queijo.

Eu nunca soube fazer pão de queijo na vida, aliás, nunca soube fazer nada na cozinha além de sanduba e miojo, mas faz um bom tempo que venho tentando adentrar nesse terreno perigoso da culinária. E não é que estou gostando?

Pois bem, peguei a receita de cabo a rabo e na primeira ida ao mercado, já tratei logo de providenciar os queijos certos e o tal do polvilho doce.

Vou te contar, hein? Vendo a Ana Maria fazer, parece tão fácil, cheia das assistentes ao lado, tudo prático, mas na real é bem difícil amassar toda aquela massa e fazer as bolotinhas.

Resumindo a história, fiz mais de 100 bolinhas, assei algumas e congelei o resto.

O diacho ficou uma belezinha, viu? Pelo menos o Bom Marido adorou! Até minha mãe levou uns para assar em casa e gostou bastante também!

Mas vale a pena, hein? Muito melhor que comprar pão de queijo congelado no mercado ou gastar um dinheirão tomando café na padoca. Pão de queijo feito em casa é o que há!

– Valeu, Ana Maria!

Pão de queijo! ❤️ #euquefiz #pãodequeijo #anamariabraga #maisvocê #delícia #quentinho #pãodequeijocomcafé

A post shared by Elaine Thrash Oliveira (@elainethrash) on

E a dengue? Bem… O Bom Marido ficou muito pior que eu. Sério. O coitadinho achou que fosse passar dessa pra melhor, e eu incrédula, achando que não era pra tanto. Se não fossem nossos pais terem vindo cuidar da gente, não haveria pão de queijo pra contar a história.

Falando nisso, deu uma fome… Vou lá no congelador pegar um pacotinho de pão de queijo que eu mesma fiz e assar para o lanche! 😉

Segue a receita para quem quiser tentar em casa:

Pão de Queijo Supimpa Que Eu Vi no Programa da Ana Maria:

Primeira parte:

  • 1 copo de óleo
  • 1 copo de água
  • 2 colheres (sopa) de sal

Junte tudo numa panela e deixe ferver.

Segunda parte:

  • 1 kg de polvilho doce
  • 4 a 6 ovos (depende da consistência da massa)
  • 250gr a 300gr de queijo minas padrão
  • 100gr de queijo ralado parmesão (ralado em ralo fino)

Coloque o polvilho em uma tigela bem grande e vá jogando a mistura da panela aos poucos. Isso é o que a Ana Maria chama de “escaldar” o polvilho.

Amasse bem e acrescente um ovo por vez, sempre amassando para ver se precisa colocar mais.

Assim que a massa estiver bem macia, acrescente os queijos e continue amassando até a ficar bem homogênea. Se ficar muito mole, coloque mais polvilho ou espere esfriar antes de fazer as bolinhas.

Com a ajuda de uma colher, faça bolinhas não muito pequenas e coloque em uma forma para assar ou congelar.

Tempo de forno: 30 a 35 minutos a 180º. Sempre é bom verificar se não escureceram demais, senão ficam duros.

Sirva com amor e café! ❤

____

Espero que tenham gostado!

😉

Anúncios

CIII. Saúde! Agora o Bom Marido é fã de frutas, legumes e verduras!

2016 começou um pouco diferente na cozinha do Bom Marido.

Aliás, há algum tempo a lista de compras foi sofrendo algumas modificações, desde a redução do consumo de refrigerantes, guloseimas e gordurebas, devido ao preço elevado no supermercado.

Pois é… A falta de grana acabou nos ajudando a estocar menos porcaria em casa!

Mas o que deu aquele “plim” na cabeça do Bom Marido foi termos assistido a alguns documentários que eu havia pedido para ele baixar. Documentários estes que eu já havia assistido quando estive no Canadá na época em que eu estava fazendo o curso de Green Leadership (Liderança Verde) na ILSC-Vancouver e a professora havia passado uma lista de filmes como sugestão para complementar as aulas.

Aproveitando que eu estava no apartamento dos amigos Dimitri e Fabiana, do Canal Canadá Diário e eles haviam liberado a senha do Netflix deles, eu pude assistir a vários desses documentários recomendados pela querida professora Bari Blackhart.

Porém, me deu uma vontade de assisti-los novamente, bem como assistir aos que eu não tive tempo. E assim, Meu Amado baixou:

  1. Fat, Sick and Nearly Dead (Gordo, Doente e Quase Morto)
  2. Food Inc. (Alimentos S.A.)
  3. Food Matters (O Alimento é Importante)
  4. Hungry for Change (Fome de Mudança)

Todos os documentários falam da relação entre alimento e saúde, enfatizando as escolhas que fazemos no nosso cotidiano. Escolhas que podem ser prejudiciais não somente a nós e à nossa família, como também ao meio ambiente.

Gostamos muito do documentário “Fat, Sick and Nearly Dead”, pois foi o mais divertido, menos dramático e ainda assim muito elucidativo.

fatsickandnearlydead-sub

Trata-se da história de um cara chamado Joe Cross que estava realmente Gordo, Doente e Quase Morto e por isso resolveu dar a volta por cima para recuperar a saúde, através do desafio de fazer seu corpo se curar sozinho somente pela ingestão de sucos naturais de frutas, legumes e verduras, por um prazo de 60 dias.

Parece utópico e totalmente errado ficar 2 meses só tomando sucos, mas o cara teve acompanhamento de médicos e nutricionistas e viajou pelos EUA com sua centrífuga, seu gerador e sua “feirinha” no carro, contando sua história de vida para várias pessoas, chegando inclusive a incentivar algumas a fazerem o mesmo!

Bem bacana o sucesso e a repercussão que ele teve. O mais impressionante foi a mudança, não apenas externa (o cara ficou enxuto e com uma aparência super saudável), mas também interna, pois o próprio organismo dele começou a não sentir mais vontade de consumir porcarias. Até os medicamentos ele, que sofria de uma doença autoimune, acabou não precisando mais tomar.

Ele mostra tudo isso no documentário. Só não mostra detalhadamente as receitas dos sucos que ele foi tomando.

Mas eis que foi só pesquisar no Google e encontrar o site dele, o Reboot With Joe (Recomece com Joe) onde pude encontrar dicas, receitas, informações sobre os benefícios dos sucos e de cada ingrediente recomendado.

No filme, Joe carrega sua centrífuga para cima e para baixo. O Bom Marido e eu sempre quisemos ter uma centrífuga, mesmo não sabendo direito como funcionava uma. Achávamos prático e divertido ver frutas e legumes virarem suco em poucos segundos!

Como não tínhamos centrífuga, tentaríamos utilizar o liquidificador.

Primeiro eu pesquisei no site do Joe algumas receitas de sucos que eu achava que o Bom Marido e eu iríamos gostar (tem suco para melhorar as articulações, limpar o organismo, amenizar dor de cabeça, levantar o astral, curar resfriados e muito mais), anotei os ingredientes necessários para fazer estes sucos e fomos até um Hortifrúti Vila das Frutas providenciar tudo.

Assim que chegamos, já lavamos e embalamos tudo, cortamos e congelamos o que podia ser congelado e armazenamos tudo direitinho para que nada estragasse, afinal, não se pode desperdiçar quando as finanças estão em baixa, certo?

E assim tentamos fazer nossos primeiros sucos.

Querem saber o resultado? Então aguardem as próximas postagens, pois esta aqui já ficou enorme, pra variar!

____

Obrigada pela visita e até à próxima!

😉

____

Ah, só para deixar claro! Nem o Bom Marido e nem eu tencionamos perder peso tomando suco!!! Nossa meta é mudar nossa alimentação aos poucos, deixando-a cada vez mais saudável, por isso começamos a tomar pelo menos um suco de frutas, verduras e legumes por dia, ainda assim dividindo uma porção para nós dois!

Se o Bom Marido perder um quilo sequer, o coitado sai voando!

Mas segue um spoiler aqui: a aparência dele está bem melhor. Mais corado, com mais energia e com a pele bem mais bonita.

E não foi só com o suco, pois ele passou a comer frutas, beber mais água e não torce mais o nariz para os legumes na comida! (Vide a primeira foto que postei acima, do macarrão colorido que eu fiz para ele com molho branco e… LEGUMES! Ele adorou!!!)

😉

Thierry and Elaine at Whytecliff Park - february, 2015

CII. O Bom Marido no Canadá – Últimos dias de viagem; Lions Gate Bridge; Whytecliff Park; Cinema; Aeroporto; Brasil

Chegamos ao final de uma jornada de incríveis passeios no Canadá.

Neste post, falarei sobre os últimos dias da nossa viagem.

____

02 de fevereiro de 2015.

Após nossa visita à Whistler no dia anterior, aproveitamos a segunda-feira para fazermos umas comprinhas e curtirmos o clima chuvoso, planejando os últimos passeios da semana.

____

03 de fevereiro de 2015.

Aproveitando que nosso apê ficava ao lado do Stanley Park, resolvemos fazer mais um passeio por ele, a caminho da Lions Gate Bridge. Nossa meta era atravessar a pé os quase 2 quilômetros da ponte e ver o que tinha de bom lá do outro lado.

Lions Gate Bridge - by Thierry Durieux - feb, 2015

Foi uma boa caminhada até chegarmos a um shopping, o Park Royal South, onde nos deparamos com um supermercado oriental – Osaka Supermarket – que tinha de tudo um pouco, inclusive uns frutos do mar gigantescos expostos em um “aquário” no setor da peixaria.

Osama Supermarket

Nos esbaldamos de observar as coisas estranhas que são vendidas lá e acabamos nos deliciando com uma porção de sushis e outra de guiozas e mais um delicioso e delicado bolo de nozes, afinal não havíamos almoçado antes de sairmos de casa!

Passeamos mais um pouco pelo shopping e voltamos andando para o apê, quando já estava escurecendo.

____

04 de fevereiro de 2015.

Saímos cedo do nosso apê e caminhamos até à Georgia Street, onde pegamos o ônibus #257 até à Horseshoe Bay, em West Vancouver.

Chegando lá, tomamos um chocolate quente, pois estava fazendo muito frio e demos um passeio pelas redondezas antes de encararmos a longa caminhada rumo ao Whytecliff Park. Nos perdemos um pouco para chegarmos lá, mas conseguimos!

No parque, caminhamos cuidadosamente sobre um caminho de pedras e chegamos à Whyte Island. Fizemos algumas fotos lá na ilha e logo voltamos. Até aproveitamos para pegar algumas lindas pedrinhas à beira da água.

Whytecliff Park - by Thierry and Elaine - feb, 2015

De repente, vários patos que estavam tranquilinhos na água, levantaram voo ao mesmo tempo, como se fosse uma coreografia. No mesmo instante, a maré começou a aumentar e o caminho de pedras sumiu embaixo d’água! Se demorássemos uns minutinhos a mais para voltarmos, ficaríamos ilhados!

Continuamos a caminhar pelo parque até encontrarmos um lugarzinho tranquilo para fazermos nosso piquenique de pão integral com peito de peru e queijo, cookies e água. Foi muito tranquilo e romântico, mesmo com a forte garoa que fazia de tempos em tempos.

Na hora de voltarmos para a Horseshoe Bay afim de pegarmos nosso ônibus, acabamos nos perdendo por umas trilhas que não levavam a lugar algum, mas eis que finalmente encontramos a saída, pegamos o busão e chegamos sãos e salvos no apê.

____

Dia 05 de fevereiro de 2015.

Este foi o nosso último dia de passeio. Demos uma voltinha pelo centro para ver se nos animávamos a comprar mais alguns presentes e terminamos o dia indo ao cinema. Sim! Cinema!

Em meu outro blog, mencionei os prêmios que ganhei no evento em que trabalhei, o Fright Nights 2014, no PNE. Na postagem, eu explico que ganhei os prêmios pela minha atuação no evento, o que me deixou muito feliz. E os prêmios eram: pedaços de tijolos usados nas cenas dos artistas da dupla The Monsters of Schlock e ingressos para o cinema.

2014_11_01_frightnights_twoprizes

Os tijolos eu deixei no apê, afinal eu não teria como trazê-los para o Brasil na mala – muito pesados… Já os ingressos, eu guardei por meses até ter a oportunidade de usá-los. Sorte que deu tempo, pois usei praticamente no último dia de viagem. E com Meu Amado!

Assistimos ao filme The Immitation Game (O Jogo da Imitação) e depois passamos no Tim Hortons para nosso último chocolate quente com donuts.

Tudo o que comprávamos para comer nós dividíamos (exceto algum lanche que o Bom Marido preferia de carne e eu, frango), assim gastávamos menos e comíamos o suficiente.

Fizemos nossa última caminhada rumo ao apê e terminamos a noite fechando nossas enormes malas.

____

06 de fevereiro de 2015. Dia do embarque do Bom Marido.

Quando minha irmã e eu compramos as passagens de ida e volta no começo de 2014, compramos para o mesmo dia e para o mesmo voo, claro. Thierry não conseguiu comprar a passagem de volta para os mesmos dia, horário e voo que o nosso, então ele comprou para um dia antes, seguindo a mesma escala que fez na ida: São Paulo – Toronto – Vancouver.

De mala e cuia no busão!

O voo dele para Toronto estava marcado para às 14h. Fui de mala e cuia com ele até o aeroporto, enquanto minha irmã ficou no apartamento ainda resolvendo as coisas dela.

Uma hora depois que o Meu Amado embarcou, minha irmã chegou e ficamos lá no aeroporto enchendo linguiça até o dia seguinte, pois nosso voo sairia cedinho e não poderíamos embaçar.

A hora parece que não passa no aeroporto, então a melhor coisa a se fazer é comer, comprar e encontrar um cantinho para dormir!

Fizemos lanches com algumas coisas que haviam sobrado no apê como: pão, frios, ovos, salgadinhos e afins. Mas ainda assim não resistimos à tentação de tomarmos uns chás e chocolates quentes no Tim Hortons, onde ainda compramos duas canequinhas bem bacanas!

Maple Leaf Sisters!

Passeamos por algumas lojinhas para ver o que tinha de interessante e ficamos zanzando de um terminal ao outro, até cansarmos. Pensamos que as lojas e os restaurantes no aeroporto ficassem abertos 24 horas, sempre à disposição de quem ali estivesse, mas tudo começou a fechar e a gente acabou sobrando com a única opção disponível: dormir.

Eu até consegui dormir bastante, pois confesso que fiquei bem xoxinha depois que o Thierry embarcou.

____

07 de fevereiro de 2015.

Horas e horas de voos, conexões e trocas de aviões. Minha irmã e eu voamos de Vancouver para Minneapolis, de Minneapolis para Atlanta, e finalmente, de Atlanta para São Paulo. A essa hora o Bom Marido já deveria estar tranquilo na casa dele!

____

08 de fevereiro de 2015.

Ufa! Chegamos!

Após uma longa e cansativa viagem, ainda inventei de passar no Duty Free Shop, onde encontrei minha comadre que trabalha lá, fiz umas comprinhas e ganhei vários brindes!

Papai já estava ansioso esperando as duas filhotas. Assim que chegamos em casa, matamos as saudades dos nossos pais, desfizemos as malas, descansamos e… pensam que eu fiquei em Guarulhos, na casa dos meus pais? Não! O Bom Marido foi até lá me buscar para que eu viesse para a casa dele.

Ótimo, pois aproveitei para matar as saudades do Lucky também!

Home, sweet home...

____

E assim encerro esta deliciosa aventura que, para mim começou oficialmente em 04 de agosto de 2014, com a oportunidade de estudar e trabalhar em Vancouver, bem como revisitar e conhecer lindos lugares por lá!

Agora é rezar muito para conseguir repetir a dose, de preferência com planos de morar no Canadá por muitos e muitos anos com Meu Amado Bom Marido! ❤

Torça por nós, por favor!!!

____

Obrigada por acompanhar As Aventuras do Bom Marido no Canadá!

Veja mais em: As Aventuras do Bom Marido no Canadá – 2014-2015

____

😉

LXXXIII. O Bom Marido no Canadá – Hash Browns, No Frills, No Name, Whole Foods and Squirrels

Obs. Parece um palavrão, mas é só o título dessa postagem!

IMG_3966Vamos lá…

Os primeiros dias no apê novo foram bem tranquilos.

Ir a pé para a escola era uma delícia, ainda mais porque todas as ruas de West End até Downtown são belíssimas e cada dia eu fazia um trajeto diferente, só para conhecer melhor a região.

IMG_3024No dia seguinte à mudança, 06 de janeiro de 2015, já tratamos de ir ao supermercado No Frills (cujos preços eram mais em conta) afim de comprarmos nossas comidinhas da semana. O Whole Foods era bem mais perto, ecológico e chiquetoso, mas experimente comparar um Extra a um Pão de Açúcar. O No Frills estaria mais para o Extra, claro.

Lilika só comprava no Whole Foods, ainda mais pela variedade de produtos integrais, naturebas e afins que ela curte.

Para ser sincera, se eu pudesse eu só comprava nele também, mas o máximo que eu fazia era passar lá de vez em quando para conhecer produtos novos, pois sempre rolavam degustações e demonstrações nos corredores.

Nourish_Almond_VanillaOutro dia ganhei um sachezinho de hidratante de amêndoa com baunilha que durou 2 semanas! Uma organic body lotion da marca Nourish. Ótimo para a pele ressecada por causa do frio.

Mas eu via mais vantagens ao comprar no No Frills. O pacotinho de salada lá custava menos de CAN$ 0.90 e já vinha prontinha para comer. Durava mais de uma semana na geladeira. Era só abrir a embalagem, colocar no prato e temperar!

Como o Bom Marido e eu estávamos comprando nossas comidinhas juntos, sempre comprávamos besteirinhas do tipo: batata frita President’s Choice, hash browns, cookies President’s Choice, a maldita Coca-Cola dele, peanut butter e afins. Tirando algumas marcas específicas, priorizávamos os produtos sem marca (No Name), pois ficavam um pouquinho mais em conta e a qualidade era boa também.

IMG_2304Ficávamos sempre de olho em ofertas e passávamos boa parte do tempo tentando calcular o custo x benefício dos produtos. Para mim era divertido, pois eu adoro fazer hora no supermercado, mesmo que eu não compre nada.

Eu sempre andava com minhas ecobags na mochila, assim não precisaríamos pagar pelas sacolas plásticas do supermercado e colaborávamos com o meio ambiente também!

Voltávamos com bastante peso na mochila e nas bags. Nosso apê era no 11º andar e eu sempre subia de escada, pois detesto elevador.

IMG_3026Uma coisa que comprávamos bastante lá pois o preço sempre estava bom eram os sacos de filé de peixe congelado. E todo dia a gente comia filé de peixe grelhado ou desfiado com molho branco à lá Thierry, arroz integral e salada (para mim) e Hash Brown (para o Thierry, que ficou viciado!)

Hash Brown é tipo um disco de batata ralada e misturada com mais outros ingredientes para dar liga. Uma iguaria bem interessante que pode ser frita ou assada. Fica macia por dentro e bem crocante por fora…

Hmmm… Uma delícia, mas eu só comia de vez em quando, já o Bom Marido era praticamente TODO DIA!

____

Fazendo as contas do quanto gastávamos em média no supermercado, lembro que nos 3 meses em que Lilika e eu alugamos o apê dos nossos amigos do Canadá Diário, eu sozinha gastava CAN$ 14.00 por semana, sendo que eu só fazia compras de 15 em 15 dias.

Com a chegada do Thierry, esse valor dobrou, afinal estávamos em dois e os gastos variavam em torno de CAN$ 30.00 e CAN$ 35.00 por semana.

Bom, por enquanto é isso.

Se eu lembrar de mais alguma informação relevante eu acrescento nas próximas postagens!

Continuem acompanhando as aventuras do Bom Marido no Canadá!

😉

Encerro a postagem com esse esquilinho fofo que ficava todo dia brincando em frente ao nosso prédio!

IMG_3019Uma graça!

Ver esquilinhos todo santo dia em Vancouver sempre animava meu dia!

– Squirrels! I miss you, guys!

IMG_3021