Sessão: Macho & Fogão (pte. 13) – Especial Canadá

IMG_3634

Estavam com saudades das deliciosas postagens da Sessão Macho & Fogão?

Não se preocupem! Estamos de volta com mais umas delícias preparadas pelo Bom Marido (com a minha ajudinha também).

Desta vez, vamos mostrar o que o Bom Marido andou aprontando lá nas cozinhas do Canadá, quando foi me visitar na reta final do meu intercâmbio em Vancouver!

Veja a Sessão Macho & Fogão completa clicando AQUI!

IMG_2671
____

O Bom Marido chegou em Vancouver no dia 29 de dezembro de 2014, dia em que comemoramos 4 anos de relacionamento.

Enquanto eu fui buscá-lo no aeroporto, minha querida irmã preparou um macarrãozinho supimpa para nós.

Claro que ele não teria pique para cozinhar, pois estava desnorteado por conta da longa viagem! (Valeu, sister!)

____

Conforme mencionei na postagem LXXIX. O Bom Marido no Canadá – Feliz Ano Novo! , nos primeiros dias da viagem do Bom Marido, permanecemos no apartamento dos nossos queridos amigos Dimitri e Fabiana, do canal Canadá Diário. (Valeu, gente!)

IMG_2682

Foi lá que o Bom Marido preparou as primeiras iguarias em solo canadense, incluindo nosso banquete de Ano Novo.

No dia seguinte à chegada do Bom Marido, a primeira coisa que fizemos após o café da manhã foi dar uma passada no mercado.

IMG_2694O almoço foi o básico Arroz Integral com Curry e Filé de Frango na Manteiga, que é o nosso coringa!

Na véspera de Ano Novo, após um dia de passeios, compramos algumas coisinhas para nossa ceia, incluindo um vinho tinto seco muito bom por sinal.

O Bom Marido nos surpreendeu com um banquete para nossa ceia, com direito a entrada, prato principal e sobremesa!

Entrada(s):

1. Sashimi de Salmão (compramos um pedaço grande de salmão, para o qual o Bom Marido havia pensado em três formas de preparo)

2. Degustamos uns queijinhos e o vinho que compramos, enquanto a terceira entrada não ficava pronta!

3. Finalmente a deliciosa “Casquinha” de Salmão ao Molho Branco. Geralmente ele faz com peixe branco e coloca em forminhas em formato de conchinhas, mas como estávamos na casa dos amigos, utilizamos as tigelinhas de louça que encontramos por lá.

DSC00811

(Receita em breve)

Prato Principal:

Salmão Assado, acompanhado de Arroz Integral com Curry e Salada de Alface Romana com Molho de Mostarda. E mais a Lentilha saborosa que minha irmã fez (nossa tradição é comer lentilha no Réveillon).

DSC00825

Eu fiz o molho de mostarda!

Sobremesa:

Café com Sorvete Rolo Nestlé sabor Peanut Butter. Sem mais!

DSC00834

____

DSC00835Eu também me arrisquei na cozinha, especialmente sabendo que o Bom Marido e minha irmã adoraram as minhas Panquecas de Banana!!!

Compramos um “syrup” baratinho no Walmart, achando que era de Maple, mas na verdade era apenas um melado qualquer…

Pelo menos ficou bom nas panquecas!

____

Na semana seguinte já estávamos no apê que alugamos em West End Vancouver. Lá o Bom Marido continuou a fazer uma comidinha esperta para nós, mas sem muita variedade, afinal experimentávamos guloseimas sempre que saíamos e em casa comíamos mais o básico, ainda assim delicioso, claro!

IMG_3026Arroz Integral com Filé de Peixe Branco e Hash Browns (e Salada)

Gosto do jeito que o Thierry prepara o arroz. Ele coloca um pouquinho de óleo na panela, uma colherinha de curry e refoga 1 xícara de arroz nesta mistura. Em seguida ele coloca 3 xícaras de água e deixa cozinhando até ficar no ponto.

O filé de peixe ele tempera com limão, sal, pimenta, empana e frita com um pouquinho de margarina.

E as Hash Browns? Bom, ainda não descobrimos como fazê-las, mas o Bom Marido se apaixonou por essa iguaria feita de batata ralada e prensada em forma de hambúrguer. Dá para fritar ou assar. Preferimos assar.

____

IMG_3210De vez em quando o preço do Salmão estava bacana, então a gente fazia questão de comprar.

Era uma das opções para quando a gente não queria ficar só no filezinho de peixe!

Olha o capricho do Bom Marido!

O Bom Marido comia as Hash Browns quase todo santo dia. Eu evitava ao máximo, apesar de achar uma delícia. Eu ficava na saladinha mesmo. Especialmente de salsão, que era barato, suculento e gigantesco por lá!

____

IMG_3409Certo dia, inventamos de comer batata-doce. Seguindo a deliciosa versão de Batata Assada com Molho de Requeijão que já virou sucesso na casa do Thierry, em Vancouver ele fez:

Batata-doce Assada com Cream Cheese e Cebolinha, pra acompanhar o Filé de Peixe.

Essa saladinha já vendia assim prontinha para consumo no supermercado No Frills. Custava menos de 1 dólar o pacotinho. Era só abrir, colocar no prato, temperar e se deliciar.

Detalhe para as batatas chips President’s Choice enfeitando o prato!

IMG_2304

____

IMG_3475Mais uma delícia preparada pelo Bom Marido: Peixe Desfiado ao Molho Branco com Purê de Batata-doce!

Sim, insistimos em tentar comer batata-doce mais uma vez, mas sinceramente, não curtimos muito.

O que ficou bom mesmo foi esse peixinho desfiado que o Thierry fez!

Hmmm! Caprichadíssimo!

____

De vez em quando, uma extravagância pode, não pode? Pois bem… Passeando em um dos meus mercados prediletos, o Urban Fare, eis que o Bom Marido se depara com esse lagostini suculento na vitrine da peixaria. O que ele fez? Comprou, claro. E assim, jantamos um delicioso Lagostini Assado Recheado com Pedaços de Alho e acompanhado de Arroz Selvagem e Salada.

IMG_3541

Perfeito!

____

Além do Arroz Integral puro, nós o comíamos misturado ao Selvagem. Uma delícia!

Era uma das opções para acompanhar nosso peixinho de cada dia!

by_Thierry_Elaine

____

Neste cardápio também tem espacinho para o delicioso ovo frito do Bom Marido. Já comentei em outra postagem que até o “zóião” que ele faz fica com um gostinho especial. Não sei se é a manteiga, ou se são os temperos, ou tudo junto, mas eu adoro o ovinho que ele faz!

IMG_3632

____

Falando em ovo, eis uma Omelete Supimpa que eu ajudei a preparar:

No recheio temos: queijo prato, peito de peru, cebolinha, cebola e temperinhos.

Olha a chips President’s Choice aí outra vez!

by_Thierry_Elaine

____

Quando íamos ao mercado, sempre pesquisávamos os itens que estavam em oferta, independente da marca. A qualidade dos produtos lá não variava muito de marca para marca, então era simples escolher a mais barata e levar para a casa, sem medo de se arrepender.

Comprávamos pão integral por um ótimo preço. Fazíamos lanchinhos para levar quando saíamos para longe. Super prático. Pão, cream cheese, queijo prato, peito de peru e salada. Uma ótima forma de economizar dinheiro nos passeios!

Mas no apê também rolavam lanches, especialmente para o Bom Marido que comprou uns hambúrgueres gigantescos para experimentar. Desses eu passava longe, afinal, quem me conhece sabe que eu não curto carne vermelha. Amo peixe e consumo frango com mais frequência do que gostaria…

____

IMG_3282Enfim, estes foram alguns dos rangos preparados por nós em nossos 40 dias de viagem juntos. (Nossa “lua de mel antecipada”)

Espero que tenham apreciado!

Se eu conseguir liberar espaço de arquivo aqui no meu WordPress, eu tento postar mais uma parte da Sessão Macho & Fogão – Especial Canadá.

Por enquanto fiquem com estas imagens de dar água na boca!

____

Obrigada pela visita e até à próxima!

😉

CVI. E lá vem o “Valentine’s Day” outra vez…

Seria curioso comemorar o Dia dos Namorados em fevereiro, pertinho do Carnaval, ou como o próprio nome sugere: festa da carne!

IMG_8615Já temos nosso Dia dos Namorados em junho, numa época de friozinho gostoso e namoro embaixo das cobertas!  Por isso os brazucas nem dão muita bola para o tal do Valentine’s Day (Dia de São Valentim), comemorado em 14 de fevereiro.

Namoro é coisa fofa, compromisso, responsabilidade, cuidar de alguém, se importar com alguém, amar, ser amado, mimar e ser mimado.

Gostar das mesmas coisas, mas nem sempre. Olhar na mesma direção, mas nem sempre. É conhecer, descobrir, entender e respeitar.

Não é só beijo na boca e sexo. É amor e carinho. É fazer uma comidinha gostosa para a pessoa amada, ligar para saber se a pessoa está bem, ou mandar um WhatsApp também, por que não?

pipocasÉ andar de mãos dadas, assistir a um filme com pipocas em casa, naqueles dias em que o tempo está feio demais para sair, ou a grana está curta demais para gastar com cinema.

Namorar é gostoso e faz bem. Quando duas pessoas estão em sintonia e gostam de estar perto uma da outra, é natural que queiram firmar um compromisso sério.

E não precisa de data especial para provar o amor que sentem. Todo dia é dia de demonstrar carinho, mas sem a obrigação de fazê-lo. A pessoa estando feliz é o que basta.

Namoro é isso: é querer ver o outro feliz. Se possível, causar e/ou participar dessa felicidade.

29/12/2013 - 3 anos de Namoro - Thierry e ElaineAlguns desentendimentos rolam no meio do caminho? Sim, claro. Não existe relacionamento perfeito, casal perfeito, par perfeito. Tudo é descoberta, entendimento e aceitação. E aprendizado. Muito aprendizado!

Namorar é como fazer um cursinho pré-vestibular para a Universidade do Amor. Amor. Universo. Amar. Um só verso. No diverso.

Sejamos todos universalmente felizes no Amor!

____

Obrigada pela visita e até à próxima!

😉

____

Dica de presente para o “Valentine’s Day”:

Fundo_blog

Happy Valentine’s Day!

XCVIII. Mais um ano!

IMG_8815

Eita que 2015 já acabou. Passou feito um furacão, balançou um pouco as estruturas, mas acabou muito bem.

Começou lindo, com mil passeios que fiz com o Bom Marido lá no Canadá. Aliás, não consegui atualizar cada detalhe da nossa viagem, como era o planejado, mas acho que nas próximas postagens eu consigo. Eu ACHO!

Assim que voltamos de viagem, deu aquela sensação estranha de que estávamos no lugar errado, sabe? A sensação de que não deveríamos ter voltado do Canadá. Então bateu aquela depressão pós-viagem que tanto temíamos.

No começo foi difícil. Voltamos em uma época estranha, com as coisas fora do lugar e com uma crise no país que estava afetando mais o psicológico que o bolso.

Foi então que começamos a pensar nos “e se…” da vida e isso incluiu “e se um dia, daqui a uns dois anos, nos mudássemos para o Canadá?”. Confesso que ainda está só na hipótese, pois não conseguimos notáveis progressos para que isso se realizasse.

Primeiro porque precisaríamos comprovar uma boa quantia em dinheiro para começarmos nosso processo de imigração; depois teríamos que organizar uma série de coisas aqui antes de finalmente decidirmos começar tudo praticamente DO ZERO em outro país.

Parece mais fácil estar sozinho, pegar uma mochila, largar tudo aqui e viajar para bem longe, sem vínculos, sem amarras, sem cordões umbilicais e sem arrependimentos. O que não é o nosso caso. Temos que pensar sempre em dois. Três com o gato.

IMG_8627

Mais uma coisa para resolvermos: os procedimentos para levarmos o Lucky conosco!

Fora isso, ainda teríamos que procurar um local lá para morarmos, que não fosse muito caro, que não fosse muito tosco e que aceitasse animais. Me refiro ao gato!

Levaríamos uma grana extra para nos mantermos lá enquanto não pintasse nenhum trampo para nós, mas primeiro teríamos que fazer grana aqui para termos essa reserva. O que só foi acontecer lá para Maio/ Junho, ou seja, na metade do ano já…

Mas até que o ano foi bom. Nem péssimo, nem maravilhoso. Deu para passar. Difícil foi superar a perda do vovô Leon (avô do Thierry), o que piorou ainda mais a maré de tristeza pela qual estávamos passando.

IMG_8720

Para mim, graças a Deus, muitos trampos foram surgindo, a ponto de eu não ter tempo de descansar para curar uma torção no pé, um mau jeito no ombro, gripes, resfriados, dores de cabeça e etc…

Tanto é que hoje, 05 de janeiro, ainda estou com uma tosse que começou em 27 de dezembro, por conta da mistura: calor + muito ar condicionado + semanas seguidas de trabalho sem folga!

Pra que folga? Quando se tem um objetivo em mente, folgar é algo que atrapalha. Claro, serve para descansar, curtir um pouco mais a companhia do Bom Marido, mas de forma geral me deprime, me dá a sensação de não estar sendo útil!

Ainda mais para nós que pretendemos casar e mudar de país: quanto mais freelas, melhor! Quanto mais dindim entrando, melhor! Uhuuu!!!

E só termos foco e um bom planejamento. Deixar a vida organizadinha aqui para conseguirmos construir uma vida nova lá. Nós três: Meu Amado, nosso bebê peludo e eu. E que nossos parentes possam nos visitar de vez em quando, especialmente quando pensarmos em aumentar a família.

Eis uma questão que vem passeando pela mente do Bom Marido. Se for para termos filhotes, que nasçam no Canadá. Eu não faço muita questão de ser mamãe, por isso deixo essa decisão para quando o alarme de “Putz! Quero ser pai!” do Thierry apitar! Hahaha!

Se tivermos gêmeos, melhor! Assim os 9 meses de gestação + as dores + enjoos + o parto + a recuperação serão resolvidos numa tacada só!

Para encerrar, fiz uma bela homenagem ao meu amado no dia 29 de dezembro de 2015, dia em que completamos nossos 5 anos de namoro + noivado. Comemoramos em casa mesmo, com panquecas no café da manhã, pipocas, filmes e um jantar com direito a Strogonoff de Frango e um bom vinho tinto!

IMG_8628

Na mesma data, no ano anterior, estava eu indo buscá-lo no Aeroporto Internacional de Vancouver! Foi o melhor presente de namoro que eu poderia ganhar. Para completar, minha irmã até fez um jantarzinho gostoso para nós!

IMG_2670

Mais uma lembrança boa que nos faz querer morar no Canadá com a máxima urgência.

Será que a gente consegue?

Que Deus nos abençoe; que os anjos digam “Amém” e que o universo conspire a nosso favor para que o sonho de morar no Canadá se concretize o mais rápido possível!!!

Bora torcer!

E um Feliz 2016 do Bom Marido e da Boa Esposa! Ah, e do Bom Gatinho também! rs

IMG_8615

Agradecimentos aos amigos e leitores que já adquiriram exemplares do livro Como Ser Um Bom Marido e aos que estão para adquirir também!

Obrigada pela visita e até a próxima!

😉

XCVII. O Bom Marido no Canadá – Victoria, BC; Aniversário do Bom Marido; Final de semana inesquecível; e muito mais!

O final de semana dos dias 24 e 25 de janeiro de 2015 foi muito especial para nós.

Primeiro porque o aniversário do Bom Marido é dia 25 de janeiro, e segundo porque escolhemos passar o final de semana em um dos lugares que eu sempre sonhei em levar o Meu Amado para conhecer: Victoria, a capital da British Columbia.

Quando estive lá pela primeira vez, achei o lugar ideal para um passeio romântico. Eu me imaginei naquela cidade com o Thierry e queria muito que ele estivesse ali comigo.

Tanto quis, que deu certo!

A princípio eu pensei em fazer da mesma forma que fiz em 2012, ou seja, só um bate e volta. Mas eis que o próprio Bom Marido resolve me surpreender com a ideia de ficarmos o final de semana inteiro lá. Achei lindo!

E assim fizemos.

Ainda estava escuro quando pegamos o ônibus #5 na Robson Street até à Vancouver City Centre Station.

Lá, pegamos o metrô até à Bridgeport Station, onde esperamos pelo ônibus #620 que nos levaria ao Tsawwassen Ferry Terminal.

Compramos nossos bilhetes de viagem e embarcamos na incrível e gigantesca balsa Coastal Celebration com destino à Swarz Bay.

Fizemos um delicioso passeio, com direito a muitas fotos, claro!

Chegando à Swarz Bay, pegamos mais um ônibus, o #70 em direção à Victoria, que passa por Sidney.

Ufa! Ônibus + metrô + ônibus + Ferry + ônibus…

Caramba! É uma longa jornada, mas que vale muito a pena.

Chegando em Victoria, a primeira coisa que fizemos foi entrar no The Bay Centre (um shopping) para comermos alguma coisa antes de irmos para o hotel fazer check-in.

Na praça de alimentação, encontramos POUTINE, essa deliciosa meleca feita com batata frita, gravy, queijo e mais algumas combinações extras! Foi a primeira vez que o Thierry (de descendência Belga) experimentou essa iguaria que faz qualquer amante de batatas ficar babando. E com ele não foi diferente! Ele adorou a gororoba!

Em seguida, fomos a pé até o Days Inn, na Belville Street, fizemos check-in e demos uma breve descansada (enquanto as baterias das câmeras recarregavam um pouco) antes de sairmos para explorar as redondezas.

Adoro hotel quem tem cafeteira, café e chá no quarto. Ah, se todos os hotéis do mundo fossem assim, principalmente os do Brasil!

Seguindo com nosso passeio, caminhamos até o gigantesco Royal BC Museum, que fica na Bellville Street com a Government Street. Compramos nossos tickets e começamos a explorar cada pedaço do museu.

Tiramos uma tonelada de fotos e nem percebemos a hora passar, o que foi péssimo, pois quando anunciaram que o museu encerraria as atividades, ainda faltavam algumas galerias para visitarmos. Tentamos ver tudo em menos de 15 minutos e às 17h tivemos que sair, com gostinho de “quero mais”…

Saindo do museu, demos uma caminhada pelas lindas ruas de Victoria e fomos em busca de algum lugar para jantarmos. Não estávamos afim de gastar muita grana com comida, mas infelizmente as coisas são bem caras em Victoria, assim como em Vancouver.

Como tínhamos trazido uns lanches de casa, que por sinal haviam ficado no hotel, decidimos fazer só um lanchinho barato para enganar a fome e deixar para comer nossos quitutes mais tarde. E o que tinha de mais prático e barato por ali? Pizza. Sim aquelas fatias de pizzas que vendem feito água em qualquer lugar!

Após o lanche, caminhamos mais um pouco pela região e voltamos para o hotel, pois já estava bem escuro. Luzes de Natal ainda enfeitavam a cidade, em especial os Parliament Buildings, cuja arquitetura neobarroca é exuberantemente linda.

Voltando ao hotel, encontramos uma Liquor Store bem ao lado, então resolvemos comprar um bom vinho para celebrarmos “notre amour” e o aniversário de Mon Amour!

Olha que chique nosso banquete!

Sanduíches de pão integral com queijo e peito de peru, batatinhas chips President’s Choice e um chileno Frontera!

No dia seguinte, acordamos cedo, tomamos café da manhã no restaurante do hotel e saímos em direção à Fisherman’s Wharf, um local que virou atração turística por causa das casinhas flutuantes! Encontramos até uma linda foca que ficava se exibindo e fazendo pose para as fotos!

Seguimos beirando a costa e chegamos ao Breakwater Ogden Point, um imenso quebra-mar que poucos turistas conhecem, mas que vale muito a pena atravessar seus 850 metros partindo da Dallas Street. Uma vista exuberante!

Até vimos um senhor pescando por lá, ou pelo menos tentando!

Saindo do Odgen Point, pegamos a Dallas Street e seguimos em direção ao Holland Point Park, onde tiramos mais umas fotinhos e, bem quando estávamos tentando tirar uma selfie, um senhor que estava passeando com eu cachorro se ofereceu para tirar uma foto nossa. Quanta gentileza!

Nossa próxima parada (que demorou mais que o esperado, afinal) foi o gigantesco Beacon Hill Park. Entramos no tal parque para darmos uma olhadinha e em seguida voltarmos para Downtown, mas quem disse que a gente conseguia sair do parque? Rodamos por horas, nos perdemos dentro do parque, andamos em círculos e finalmente encontramos a saída! Mas não sem antes tirarmos lindas fotos!

De volta ao Centro, fomos ao adorável Miniature World! Isso mesmo!!! Um mundo em miniatura repleto de maquetes com fatos históricos, contos de fadas, curiosidades, cenários, casas de bonecas, trenzinhos e muito mais! Algumas maquetes eram interativas e todas elas eram muito bem detalhadas! Um incrível lugar que vale a muito a pena visitar, tanto é que fui duas vezes, uma em 2012 e outra neste passeio com Mon Amour!

E é claro que recheamos o álbum de fotos também!!!

Saindo do Miniature World, fomos em busca de alguma refeição rápida e fácil pelas redondezas… Pois é. Fomos de pizza novamente. A diferença é que comemos uma pizza mais suculenta, mais saborosa e em um local mais estiloso também, o The Joint Pizza na Wharf Street.

Em seguida, decidimos ir a pé até até o Craigdarroch Castle, o mesmo que visitei em 2012 e pedi aos céus para que o Thierry tivesse a oportunidade de conhecer também! Foi emocionante caminhar longamente até lá e ver os olhos de admiração do Meu Príncipe diante de um castelo tão lindo.

Uma pena termos chegado tarde, pois o castelo já estava fechado e nós não pudemos visitá-lo por dentro. Esta pode ser a missão da nossa próxima viagem ao Canadá: passar uns dias em Victoria (desta vez com um roteiro mais organizado), de preferência sem ser no inverno, assim aproveitaremos bem mais a luz do dia e teremos a chance de visitar não apenas o castelo, como também os Butchart Gardens e mais alguns parques pelo caminho (sem nos perdermos, claro!)

De volta ao Centro, começamos a jornada de volta para Vancouver. Pegamos um ônibus até Swarz Bay, em Sidney, e compramos nossos tickets da balsa, porém tivemos que esperar quase uma hora pela próxima balsa rumo ao terminal  Tsawwassen.

Na viagem de balsa, lembrei que não havíamos comemorado o aniversário de Mon Amour por completo. Faltava um bolinho, não é? Então fui até à cafeteria e comprei uma deliciosa fatia de bolo de chocolate e um copão de chocolate quente para nós. Só faltaram as velinhas, mas tudo bem!

Desembarcamos da balsa Coastal Renaissance e pegamos ônibus, metrô e mais um ônibus de volta para o nosso apê.

Foi uma linda e inesquecível viagem que fizemos e que pretendemos fazer outras vezes, se Deus quiser, se nosso dinheiro der e se o futuro assim nos permitir também!

Passeio aprovadíssimo e recomendadíssimo por nós.

E assim foi o final de semana de aniversário nas Aventuras do Bom Marido no Canadá. ❤

Obrigada pela visita e continuem acompanhando esta jornada que, infelizmente, está chegando ao fim!

😉